24
Ago
Metodologia da História Oral: como construir um projeto de memória audiovisual
Fotografia do final da entrevista realizada a Fernando Matos Silva por Raquel Paulo Rato, Março de 2019
Data: 24 Ago a 3 Set
Horário: 24, 25 e 26 de agosto das 17h00 às 19h00 | 27, 28 e 31 de agosto e 01 e 02 de setembro das 17h00 às 20h00 | 03 de setembro das 16h30 às 20h30
Duração: 25h | 2 ECTS
Morada: NOVA FCSH
Área: História, Património e Cultura
Docente responsável: Paulo Filipe Monteiro
Docente: Raquel Paulo Rato
Acreditação pelo CCPFC: Não
Ensino a distância
Este curso vai ser lecionado na modalidade de Ensino a Distância

 

Objetivos

____

a) A História Oral como metodologia;

b) Destacar a importância da preservação da memória oral;

c) Qual a função dos testemunhos orais;

d) Como entrevistar um testemunho;

e) As várias fases e tipo de entrevistas: pesquisa em arquivos, primeiro encontro com o testemunho, criação do guião, entrevista, transcrição textual/ montagem audiovisual;

f) Traçar as principais linhas de orientação para a construção de um projeto de História Oral Audiovisual;

g) A relação da História Oral com o Cinema documental;

 

Programa

____

O curso irá incluir exposição de matéria, serão visionados excertos de documentários, com análise teórico/prática, seguidos de discussão coletiva. Apresentar-se-ão entrevistas a partir do projeto Palavras em Movimento: Testemunho vivo do Património Cinematográfico, financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian 2019. O objectivo principal do projeto foi a criação e a partilha de uma plataforma digital que alberga as memórias dos testemunhos do cinema português das décadas 1960-1980. Em Palavrasemovimento, não se pretendeu substituir a História escrita, mas sim revelar vivências pelos testemunhos, isto é, toda uma série de realidades que raramente aparecem nos documentos escritos e complementar o saber já existente contribuindo para a valorização do cinema e seus autores. Vivemos numa era de revolução digital onde a produção e partilha de conhecimento é muito veloz, sendo importante trabalhar o seu armazenamento. A História Oral não é um fim em si mesma, mas é um meio para o conhecimento e a sua metodologia poderá ser adaptável a outro tipo de investigação científica, caso seja justificável. No curso dar-se-ão exemplos de documentários, explicando a seu metodologia correlacionada com a metodologia de História Oral. Aqui, abordaremos teorias/trabalhos audiovisuais de documentalistas como: Jean Rouch; Bill Nicholls; Eduardo Coutinho. A História Oral desenvolveu-se no decorrer do século XX, mais especificamente nos Estados Unidos: grupos de historiadores constituíram as suas próprias instituições, lançando revistas e realizando vários seminários. O método desenvolveu-se mais amplamente a partir do aparecimento do gravador (cassete) ainda nos anos de 1950, nos Estados Unidos, difundindo-se também pela Europa. Noutros países, a História Oral não possuía o mesmo impulso que nos Estados Unidos nos anos de 1950, utilizada com o intuito de somente reunir materiais para os futuros historiadores. Na América Latina há um desenvolvimento em áreas como a história política e a antropologia, por volta da década de 1970. “(…) Alessandro Portelli é um dos rostos internacionais, o seu interesse inicial no trabalho com fontes orais fez-se por via dos movimentos sociais e do activismo cultural – inscrito, em boa medida, na referida tarefa de «dar voz» aos silenciados – e a sua inserção académica foi desde sempre num domínio paralelo, o da Literatura Norte-Americana.” (CARDINA, 2013:10). A década de 1990 marcou a quarta geração, em que os historiadores passaram a compreender a importância da história do tempo presente, para a qual as fontes orais são essenciais, estruturando-se uma metodologia e uma organização teórica dentro do que passou a chamar-se História Oral. “(…) Quer a consideremos como uma especialidade dentro do campo histórico ou como uma técnica específica de investigação contemporânea ao serviço de várias disciplinas, é um produto do séc. XX que enriqueceu substancialmente o conhecimento da História Contemporânea (…)”(POZZI, 2017: 5).

 

Bibliografia

____

  • JOUTARD Philippe, História oral: balanço da metodologia e da produção nos últimos 25 anos. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaina (Orgs.). Usos & abusos da história oral. 8. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006, p. 43-62.
  • COSMOLLI Jean-Louis, VER E PODER, A inocência perdida: Cinema, Televisão, Ficção, Documentário. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2008.
  • NICHOLS Bill, Introdução ao Documentário. Campinas: Papirus, 2005.
  • PORTELLI Alessandro, A morte de Luigi Transtulli e outros ensaios. Edições Unipop, 2013.
  • THOMPSOM Paul, A voz do passado: história oral. Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1992.

 

PROPINA

____

Ver tabela em Informações úteis.

 

Requisitos prévios

____

A docente solicita a leitura dos seguintes capítulos em pdf:

  • https://www.palavrasemovimento.com
  • NICHOLS Bill, Introdução ao Documentário. Campinas: Papirus, 2005. https://cadernoselivros.files.wordpress.com/2016/08/nichols-b-introduc3a7c3a3o-ao-documentc3a1rio.pdf

 

docentes

____

Raquel Paulo Rato é realizadora e investigadora do IHC – NOVA FCSH. Licenciada em Cinema – Ramo de Realização, em 2007 termina um mestrado na Universidade de Salamanca em Audiovisual e Publicidade. Doutorada em Cinéma et Audiovisuel pela Universidade de Paris 3 Sorbonne Nouvelle 2013, com especialidade na direção de fotografia cinematográfica. Autora do livro: La Lumière dans le Cinéma: L’œuvre d’Acácio de Almeida comme directeur de la photographie. Em Paris realizou vários master class na sua área com alguns diretores de fotografia, nomeadamente com: Éric Gautier; Michael Ballhaus; Renato Berta. Desde 2014 exerce investigação no domínio da História Oral – Audiovisual do Cinema Português. Em 2019 obteve apoio da Fundação Calouste Gulbenkian no âmbito dos estudos avançados no domínio da Língua e Cultura Portuguesas com o projeto – Palavras em Movimento: Testemunho Vivo do Património Cinematográfico -, do qual é coordenadora científica. Sítio de projeto: https://www.palavrasemovimento.com

  • Centro Luís Krus – Formação ao Longo da Vida
  • Cursos da Escola de Verão (EV)

As nossas redes

Para quem quer estar mais próximo do que está a acontecer