Lisboa volta a receber festival de curtas-metragens universitárias de todo o mundo

Lisboa acolhe a terceira edição do CINENOVA, o único festival internacional de cinema universitário em Portugal. Entre 28 de setembro e 3 de outubro, o CINENOVA exibe 31 curtas-metragens de realizadores de 19 países. Entre a NOVA FCSH, a Cinemateca Portuguesa e a Casa do Capitão, serão ainda promovidos painéis de discussão sobre cinema contemporâneo e uma exposição de cinema expandido.

Das mais de 1.400 submissões de filmes para esta terceira edição do CINENOVA, nove produções portuguesas e 19 internacionais vão estar a competir nas categorias de Melhor Filme a Concurso (2.000€) e Melhor Filme Português (1.000€).

Aldeia do Diabo. Bruno Costa, Marcos Kontze, Melissa Gomes, Tom Freitas (2020)

O festival arranca já na próxima terça-feira, dia 28 de setembro, pelas 19 horas, com a Cerimónia de Abertura na Cinemateca Portuguesa. Entre os dias 29 de setembro (quarta-feira) e 1 de outubro (sexta-feira) serão exibidas duas sessões de filmes por dia, entre as 18 e as 21 horas, na NOVA FCSH (Avenida de Berna). Na quinta-feira (dia 30 de setembro), pelas 11 horas, está programado ainda o painel de discussão “Ecos de uma Pandemia: Filmes de confinamento e os seus processos”, com os realizadores Francisca Alarcão e João Garcia Neto. As entradas para as sessões e para o painel de discussão na NOVA FCSH são gratuitas.

Paralelamente, na Casa do Capitão (no Hub Creativo do Beato), e a ser inaugurada já esta sexta-feira, dia 24 de setembro, pelas 18 horas, estará patente a exposição “Entre o Real e a Imagem”, com oito obras de nove artistas. Esta exposição marca a estreia da secção “CINENOVA Expandido” dedicada ao cinema expandido e a levar ainda mais longe o jovem talento, para lá do espaço da universidade. A exposição estará aberta até ao dia 3 de outubro.

O programa completo está disponível no site do CINENOVA.

O CINENOVA é promovido, desde 2019, pela NOVA FCSH e organizado por estudantes e professores universitários. Os seus principais objetivos são dinamizar a produção cinematográfica em contexto universitário e estimular o debate em torno da relação que pode existir entre o Cinema, o Conhecimento e a Comunicação. A última edição, que recebeu mais de 600 pessoas, teve como vencedores os filmes Provence (da realizadora belga Kato de Boeck), na categoria de Melhor Filme, e Três Perdidos Fazem Um Encontrado (realizado pelo japonês Atsushi Kuwayama em Mestrado na Universidade Lusófona) na categoria de Melhor Filme Português a Concurso.

Cartaz oficial do CINENOVA 2021. Desenhado por Diogo Lourenço, João Delgado e Maria Antunes

 

Filmes em competição

Mostra Portuguesa

  • Fragmentos Para Um Dia Normal, Tiago Amorim (2021) – Estreia Mundial
  • Garças, Gabriela Nemésio Nobre (2021)
  • Irene, João Martinho (2019)
  • Miraflores, Rodrigo Braz Teixeira (2021)
  • Para Outra Maré, Francisca Alarcão (2020)
  • Visões Insulares, João Garcia Neto (2021)
  • Aldeia do Diabo, Bruno Costa, Marcos Kontze, Melissa Gomes, Tom Freitas (2020)
  • Anna Bê, Julia Nogueira (2021)
  • A Sétima Asa, Débora Gonçalves (2018)
  • Caravagyo, Joana Lourenço, Ana Manana (2019)
  • Com Sono, Mas Não Durmo, Tiago Bastos Nunes (2020)

Mostra Internacional

  • A Morte Branca do Feiticeiro Negro, Rodrigo Ribeiro (2020, Brasil)
  • Adam, Shoki Lin (2019, Singapura) – Estreia portuguesa
  • An Ocean, Paul Scheufler (2021, Alemanha)
  • Animales de Guerra, Eduardo Bustos (2020, Colômbia) – Estreia portuguesa
  • Capitalizaed Sin, Maxime Meunier (2019, Bélgica) – Estreia portuguesa
  • Cucaracha, Augustín Touriño (2020, Argentina)
  • Dádiva, Evelyn Santos (2020, Brasil) – Estreia portuguesa
  • Filipiñana, Rafael Manuel (2020, Filipinas) – Estreia Portuguesa
  • Forever, Mitch McGlockin (2020, Estados Unidos da América)
  • He loves my eyes, Enxhi Rista (2019, Roménia) – Estreia Portuguesa
  • I’m A Fish, Daria Melnikova (2020, Rússia) – Estreia Portuguesa
  • Ju-bin, An sun-young (2020, Coreia do Sul)
  • Los rugidos que alejan la tormenta, Santiago Reale (2019, Argentina) – Estreia portuguesa
  • No quiero más, Alicia Moncholí (2020, Espanha) – Estreia portuguesa
  • Suspension Prima, Georgs Harijs Ãva (2020, Letónia) – Estreia portuguesa
  • Uranus, Aya Ahmed Matrabie (2020, Palestina) – Estreia mundial
  • Vadiyar, Marjan Khrosravi (2020, Irão) – Estreia portuguesa
  • We Are Good, Manuel Boskamp (2020, Alemanha) – Estreia portuguesa
  • When You Were Young, You Walked Where You Wanted, Olga Bejm (2020, Polónia) – Estreia portuguesa
  • Where The Leaves Fall, Xin Alessandro Zheng (2020, China/Itália)

As nossas redes

Para quem quer estar mais próximo do que está a acontecer