Geolearning. Estudantes de Geografia lançam revista digital

Geolearning é a nova publicação online do Núcleo de Estudantes de Geografia e Planeamento Regional (NEG) da NOVA FCSH, com notícias, entrevistas e artigos opinião sobre temas relacionados com o ambiente, território, sustentabilidade ou demografia, mas também com a vida universitária. 

A plataforma, criada em janeiro, conta já com entrevistas aos professores José Lúcio e Ana Firmino e com os testemunhos da experiência Erasmus dos antigos alunos João Pedro Barreiros (Eslovénia) e Miguel Vicente (Países Baixos). O objetivo, explica Miguel Gabriel, passa por «alargar o debate sobre os temas que mais interessam aos estudantes de Geografia e dar espaço à partilha de novos pontos de vista». O aluno do 3.º ano da licenciatura e membro da Direção do Núcleo conta que, gradualmente, «o site terá o contributo de mais antigos alunos, profissionais de diversas áreas relacionadas com a Geografia e especialistas nacionais em assuntos particulares que consideramos importante tratar».

Na primeira entrevista, o Professor José Lúcio analisou a reforma curricular do curso e a forma como a estrutura programática tem vindo a ser atualizada,  comentou que um bom geógrafo deve ser «desembaraçado, culto e solidário» e ainda assumiu que o curso de Geografia e Planeamento Regional da NOVA FCSH «tem de estar na linha da frente dos debates que interessam à comunidade nacional e internacional».

A revista Geolearning, totalmente produzida pelos alunos da NOVA FCSH (desde a redação ao design e redes sociais), permite também dar mais visibilidade às atividades que o NEG organiza, como o workshop Influencing Sustainability, já no dia 11. «Este novo site e todas as iniciativas que temos vindo a realizar revelam, sobretudo, um curso unido e alunos motivados a alargar as suas competências. Gerir esta página está a ser uma boa aprendizagem para todos», acrescenta Miguel.

A Professora Ana Firmino focou a sua entrevista em várias questões ligadas à sustentabilidade ambiental e apontou alguns progressos: «Recordo-me que introduzi as matérias relacionadas com a agricultura biológica aqui na Faculdade, em 1987, na sequência de uma Pós-Graduação que fiz na Holanda. Quando comecei, era criticada e não consegui ninguém que orientasse a minha tese nesta área. (…) Hoje em dia, até as grandes superfícies estão cada vez mais interessadas nos biológicos».

 

As nossas redes

Para quem quer estar mais próximo do que está a acontecer