Doação Bairrão Oleiro

A biblioteca do Professor Bairrão Oleiro, doada à NOVA FCSH, contém cerca de 1700 obras relacionadas principalmente com as áreas de Arqueologia, História da Arte e Património Cultural.

Nasceu o Professor João Manuel Bairrão de Oliveira da Silva Oleiro em Abrantes em 15 de Janeiro de 1923 e faleceu em 11 de Junho de 2000 em Lisboa.

Podemos sintetizar a carreira académica deste Professor como resultado de uma convergência científica em dois percursos paralelos que se acompanhavam continuamente e se enriqueciam um ao outro: a carreira académica e a gestão do património cultural português. A primeira, a académica, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, permitindo-lhe aprofundar a investigação universitária no domínio da arqueologia e da história da arte. A segunda, na gestão dos bens culturais, fazendo a ponte com o estudo científico.
E foi assim que no ano lectivo de 1976/1977 a Universidade Nova de Lisboa o trouxe para o seu corpo docente enquanto Professor Catedrático Convidado, até 1993.

À arqueologia juntaram-se a museologia e a história da arte. E como reconhecimento do seu valor, a sua colocação no topo da carreira da função pública na área da cultura. Entre outras iniciativas do Professor Bairrão Oleiro, destacam-se ainda a fundação da revista Conímbriga, do Instituto de Arqueologia e do Museu Monográfico de Conímbriga, nos anos 50 do século 20.

Dedicou-se sobretudo ao estudo do mosaico romano, como se pode constatar da sua bibliografia, em que se destaca o primeiro volume do Corpus dos Mosaicos Romanos em Portugal, publicado em 1992. O Professor Bairrão Oleiro revela nos seus livros a importância e utilidade dos mesmos para o conhecimento da romanização em Portugal e do que isso significa em termos culturais.

Deixou-nos uma pequena biblioteca que revela claramente o seu percurso científico, que é já influenciado pelo dinamismo “dialético” entre o significado e significante, de referência entre as reflexões vitruvianas (Vitr. 1, 1, 3). São destacados naturalmente os reflexos dos estudos pós-graduados nas interacções entre docentes e discentes, entre mestres e alunos, investigadores e a própria investigação. Em todos estes itens o Professor Oleiro se destacou significativa e ativamente.

O Professor Bairrão Oleiro, pelos seu ensinamentos e atitudes, contribuiu marcadamente para que “adquiríssemos conhecimentos para o espírito” a tal ponto que, com as devidas adaptações, poderíamos desejar fazer nossas também estas palavras: “a Fortuna oferece poucas coisas aos sábios, mas dá-lhes o que no máximo lhes é necessário: que possam governar pelos pensamentos da alma e da inteligência” (ibidem).

 Texto de M. Justino Maciel