30
Ago
Data: 30 Ago a 3 Set
Horário: das 15h00 às 18h00
Duração: 15h
Morada: NOVA FCSH
Área: História, Património e Cultura
Docente responsável: Xurxo Ayán Vila
Docente: Xurxo Ayán Vila
Acreditação pelo CCPFC: Não
Ensino a distancia
Este curso vai ser lecionado na modalidade de Ensino a distância

 

Objetivos

____

  • Socializar os resultados do primeiro projeto de Arqueologia do Passado Contemporâneo realizado em Portugal (Arqueologia do Estado Novo), apoiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (CEECIND/04218/2017);
  • Partilhar uma investigação pioneira e original com o público sobre o legado material do Estado Novo, numa altura em que há um debate público sobre a memória e o património vinculado à ditadura;
  • Divulgar, além da Academia, as materialidades geradas pelo projeto ideológico totalitário do Estado Novo mais também aquelas criadas pela resistência ao fascismo;
  • Mostrar aos cidadãos como o espaço rural e urbano do país ainda é marcado pelos projetos de engenharia social e os usos públicos da memória promovidos pela ditadura.

 

Programa

____

Segunda-feira, 30 de agosto

15:00-18:00 – Lição 1 “A Arqueologia do Passado Recente. Uma introdução”. Através de projetos arqueológicos desenvolvidos no Chile, Espanha, Croácia, Guiné Equatorial e Etiópia, mostraremos o que a Arqueologia do passado recente é capaz de contribuir.

Terça-feira, 31 de agosto

15:00-18:00 – Lição 2 “Onde há poder há resistência: arqueologia da guerra do Cambedo (1949)” Em agosto de 2018, realizamos a escavação arqueológica de uma casa de camponeses onde os guerrilheiros antifascistas se refugiaram na vila de Cambedo da Raia, em Trás-os-montes. A casa foi bombardeada pela GNR e pela Guarda Civil espanhola em dezembro de 1949.

Quarta-feira, 1 de setembro

15:00-18:00 – Lição 3 “Vigiar e punir: prisões, campos de concentração e campos de refugiados”. Faremos um tour pelo sistema penitenciário do Estado Novo, analisando edifícios como a cadeia lisboeta do Aljube, Peniche, o campo de concentração do Tarrafal em Cabo Verde e os campos de refugiados de Barrancos.

Quinta-feira, 2 de setembro

15:00-16:30 – Lição 4 “A morada do homen novo: materialidades da colonização agrária do salazarismo A Junta de Colonização Interna (1936) foi a entidade responsável por materializar o ideal ruralista do Estado Novo, seguindo o modelo do fascismo italiano. Colónias agrícolas foram construídas em várias regiões do país nas décadas de 40 e 50. Grande parte delas falhou e hoje são ruínas arqueológicas.

16:30-18:00 – Lição 5 “Arqueologia da guerra civil española: rastos materiais de Portugal no conflito bélico”. Salazar apoiou Franco na guerra civil enviando soldados (os Viriatos), armas e comida. Também prendeu e devolveu á Espanha rebelde a refugiados políticos. Por sua vez, militantes antifascistas portugueses lutaram no exército da República. Nesta lição, passaremos por cenários da guerra civil seguindo a trilha destes combatentes portugueses.

Sexta-feira, 3 de setembro

15:00-18:00 – Lição 6 “O que fazer com o legado material do Estado Novo? A controvérsia do Museo Salazar” Em 27 de julho de 2019, um artigo do jornalista Hugo Franco no semanário Expresso coleta uma entrevista com o prefeito de Santa Comba Dão. O munícipe Leonel Gouveia, do Partido Socialista, defende a criação de um centro interpretativo sobre o Novo Estado em sua localidade. Em 13 de agosto, o jornal Público divulgou uma carta assinada por mais de duzentas vítimas do Estado Novo contra a abertura do centro de interpretação de Santa Comba Dão. Para esses expressos políticos, o museu, longe de procurar esclarecer a população e principalmente as jovens gerações sobre o que era o regime fascista, prefigura como instrumento a serviço de seu branqueamento e um centro de apoio ao regime. Três dias depois, em 19 de agosto, essa carta se tornou uma solicitação pública ao governo (Museu de Salazar, Não!). Em 26 de agosto, 17.719 assinaturas haviam sido coletadas. Esta controvérsia, que continua até hoje, servirá para debater no curso sobre os usos públicos da memória.

 

Bibliografia

____

  • González-Ruibal, A. e Ayán Vila, X. M. 2018. Arqueología. Una introducción a la materialidad del pasado. Madrid: Alianza Editorial.
  • Gomes, S. A. da Rocha. 2011. O pasado, a Identidade e as Teias do Governo. Estudos sobre os entrelaçamentos das Práticas de Produção do Conhecimento Arqueológico e da Construção da Identidade Nacional Salazarista. Tese de Doutoramento. Universidade do Porto. https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/63187
  • Gomes Coelho, R. e Ayán Vila, X. M. 2019. Cambedo 1946. Carta sobre o achamento de Portugal. Vestígios. Revista LatinoAmericana de Arqueologia Histórica, 13 (2): 63-87.
  • Loff, M. 2015. Estado, Democracia e Memória: Políticas Públicas e Batalhas pela Memória da Ditadura Portuguesa (1974-2014). In Loff, M., Piedade, F. & Soutelo, L. C. (Eds.) Ditaduras e Revolução. Democracia e Políticas da Memória (pp. 23-143). Coimbra: Almedina.
  • Rosas, F. 2012. Salazar e o Poder. A Arte de Saber Durar. Lisboa: Tinta-da-China.

 

PROPINA

____

Ver tabela em Informações úteis.

 

Docentes

____

Xurxo Ayán Vila (Galiza, 1976) é doutor em Arqueologia pela Universidade de Santiago de Compostela (2012). Foi pesquisador de pós-doutorado no Instituto de Ciências do Patrimônio do CSIC e na Universidade do País Basco (2014-2017). Desde 2019 é investigador principal da FCT no Instituto de História Contemporânea da Facultade de Ciencias Sociaiss e Humanas da NOVA onde dirige o projeto “Archaeology of the contemporary Past and Heritage Socialization”. Tem sido pesquisador visitante na Academia de Ciências da Hungria e na Universidade de Binghamton (EUA). Actualmente está a desenvolver uma investigação sobre a paisagem da guerrilha antifascista, a participação de voluntários portugueses no exército republicano durante a guerra civil espanhola e a materialização da fronteira luso-espanhola na contemporaneidade. Seus últimos livros são “Onde as ruas non teñen nome” (Edicións Positivas, Compostela, 2020), “Arqueología Una introducción a la materialidad del pasad”o (Alianza Editorial, Madrid, 2018) e “Altamira vista por los españoles (JAS, Madrid, 2015). É autor e coautor de 140 publicações científicas, incluindo artigos e capítulos de livros.

  • Centro Luís Krus – Formação ao Longo da Vida
  • Cursos da Escola de Verão (EV)

As nossas redes

Para quem quer estar mais próximo do que está a acontecer