Liberdade, censura e instrumentalização da arte: um olhar sobre o Manifesto da FIARI à luz do trabalho teatral de Bertolt Brecht

Mariana Mayor

Abstract


O artigo pretende refletir sobre a ideia de liberdade de criação e produção artística em contextos totalitários e as relações entre engajamento social e instrumentalização da arte a partir do “Manifesto por uma Arte Revolucionária e Independente”, escrito por Leon Trotsky e André Breton, em 1938, e da prática teatral de Bertolt Brecht. O objetivo do texto é refletir sobre o Manifesto e sobre o trabalho de Brecht à procura de conexões com o nosso presente, que tem se mostrado cada vez mais afeito a ideologias autoritárias e persecutórias nessa nova fase de reconfiguração do capitalismo internacional. O texto também pretende pensar em possibilidades de atuação prática da arte e especialmente do teatro, entendendo que a sobrevivência artística frente à qualquer ameaça autoritária depende da procura de independência do artista em relação à criação e aos meios de produção. Nesse sentido, a reflexão de Walter Benjamin sobre Brecht torna-se fundamental no texto.

Keywords


Manifesto FIARI; Bertolt Brecht; liberdade de criação; produção artística em contextos autoritários

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Copyright (c) 2019 Mariana Mayor

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Indexation 

Evaluation systems:

ERIH PLUS  (The European Reference Index for the Humanities and the Social Sciences)

LATINDEX e ProQuest / CSA (Cambridge Scientific Abstracts)


Journal of Communication and Languages |  ISSN 2183-7198

 Licença Creative Commons

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.