07
Jul
Data: 7 a 16 Jul
Horário: segundas, terças e quintas-feiras das 10h00 às 13h00
Duração: 15h
Morada: NOVA FCSH | Sala T 10 - Torre B - Piso 3
Área: História da Arte e Estudos Artísticos
Docente responsável: Cristina Isabel Videira Fernandes
Docente: Cristina Isabel Videira Fernandes
Acreditação pelo CCPFC: Sim - Formação geral e adequada (dimensão científica e pedagógica): Professores dos grupos 250, 610, M02, M03, M04, M05, M06, M07, M08, M09, M10, M11, M12, M13, M14, M15, M16, M17, M20, M21, M23, M24, M25, M26, M27, M29, M30, M32
Ensino presencial
Este curso vai ser lecionado na modalidade de Ensino Presencial

 

Objetivos

____

a) Fornecer uma panorâmica abrangente da vida musical de Lisboa no séc. XVIII, sem perder de vista o contexto internacional.

b) Estudar os principais espaços e contextos ligados à produção e à interpretação musical, contemplando quer o plano institucional e as suas relações com o poder monárquico e eclesiástico, quer manifestações ligadas à livre iniciativa e à prática musical amadora.

c) Identificar as principais personalidades ligadas à prática musical e as suas redes profissionais e artísticas.

d) Caracterizar diferentes tendências estéticas, repertórios e práticas performativas.

e) Dar a conhecer fontes históricas, bibliografia e discografia sobre a música em Portugal no séc. XVIII, bem como as mais recentes investigações sobre o tema.

 

Programa

____

O curso abordará as diferentes vertentes da vida musical de Lisboa ao longo do século XVIII em correlação com o contexto histórico e sócio-cultural da época e as mudanças que ocorrem à medida que nos aproximamos do final do Antigo Regime. Serão estudadas as principais instituições ligadas à produção e interpretação musical, mas também práticas musicais mais informais, bem como os seus protagonistas (músicos portugueses e estrangeiros e outros profissionais e amadores ligados às artes do espectáculo), os repertórios praticados e as suas tendências estéticas. Num arco temporal que abrange os reinados de D. João V, D. José I e D. Maria I, a variedade de itinerários contemplará as diferentes estruturas musicais associadas ao poder real (Capela Real e Patriarcal, Real Câmara, Banda Real), os teatros de corte e os teatros públicos, espaços eclesiásticos como igrejas e conventos, manifestações ligadas à iniciativa privada como as assembleias e casas de baile, os salões domésticos e a música no espaço urbano. Apesar do enfoque primordial em Lisboa, serão tidas em conta sempre que seja oportuno algumas comparações com o panorama internacional e com outras cidades europeias. As sessões serão ilustradas com a audição comentada de exemplos musicais e com fontes históricas (textos e outra documentação da época, partituras e iconografia).

 

Sessão I: As estruturas musicais da monarquia: as Capelas Reais e a Patriarcal, a Real Câmara e a Banda das Reais Cavalariças.

Sessão II: Os teatros de corte e os teatros públicos.

Sessão III: A música nos espaços eclesiásticos: igrejas, conventos e mosteiros.

Sessão IV: Concertos, assembleias e casas de baile.

Sessão V: As festas públicas, a música ao ar livre no espaço urbano e a paisagem sonora de Lisboa.

 

Bibliografia

____

  • BRITO, Manuel Carlos de (1989), Opera in Portugal in the Eighteenth Century. Cambridge: Cambridge University Press.
  • DIEZ DEL CORRAL CORREDOIRA, Pilar (ed.) (2019), Politics and the Arts in Lisbon and Rome. The Roman Dream of John V of Portugal. Oxford University Studies in the Enlightenment. Liverpool: Liverpool University Press.
  • FERNANDES, Cristina (coord.) (2018), dossier temático Música e poder real em Portugal no século XVIII: repertórios, práticas interpretativas e transferências culturais. Revista Portuguesa de Musicologia, vol. 5, nº 1 (1ª parte), vol. 5, nº 2 (2ª parte).
  • NERY, Rui Vieira e LUCAS, Elisabete (coord.) (2012), As Músicas Luso-Brasileiras no Final do Antigo Regime. Repertórios, Práticas e Representações. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/INCM.
  • SÁ, Vanda de e FERNANDES, Cristina (eds.) (2014), Música instrumental no período final do Antigo Regime: contextos, circulação e reportórios. Lisboa: Colibri/UnIMeM-Universidade de Évora.

 

PROPINA

____

Ver tabela em Informações úteis.

 

docentes

____

Cristina Isabel Videira Fernandes é investigadora integrada do INET-md (NOVA FCSH), onde desenvolve o projeto “Música, poder e diplomacia no século XVIII: Portugal no palco internacional”. Entre 2011 e 2017 realizou um pós-doutoramento sobre as práticas musicais e o cerimonial da Capela Real e Patriarcal de Lisboa (1716-1834), com uma bolsa da FCT. É licenciada e mestre em Ciências Musicais pela NOVA FCSH e doutorada em Musicologia pela Univ. de Évora. Faz parte das equipas dos projetos “PERFORMART-Promoting, Patronising and Practising the Arts in Roman Aristocratic Families (1644-1740)”, financiado pelo ERC, e “PROFMUS-Ser Músico em Portugal: a condição sócio-profissional dos músicos em Lisboa” (INET-md, FCT). É autora de vários livros e artigos sobre a música no século XVIII e de numerosos textos de crítica e divulgação musical. Foi professora na Escola das Artes da UCP-Porto e na NOVA FCSH. É membro da direção da SPIM-Sociedade Portuguesa de Investigação em Música e crítica do jornal Público.

  • Centro Luís Krus – Formação ao Longo da Vida
  • Cursos da Escola de Verão (EV)

As nossas redes

Para quem quer estar mais próximo do que está a acontecer