20
Jul
Data: 20 a 24 Jul
Horário: 9h00 às 14h00
Duração: 25h | 2 ECTS
Morada: NOVA FCSH
Área: História, Património e Cultura
Docente responsável: António José da Silva Botas Rei
Docente: António José da Silva Botas Rei
Acreditação pelo CCPFC: Sim - Formação geral e adequada (dimensão científica e pedagógica): Professores dos grupos 200 e 400
Ensino a distância
Este curso vai ser lecionado na modalidade de Ensino a Distância

 

Objetivos

____

Formar e informar sobre Lisboa, durante quatro séculos e meio, entre o início do século VIII e meados do século XII. Lisboa não teve, nem viveu, isolada junto ao mar, mais ou menos esquecida, no extremo do ocidente da Hispânia, então chamada de alAndalus. Ao contrário, durante aquele longo período, é possível identificar, vários períodos diferentes, em que a cidade e região passaram por épocas de paz, e por épocas de grande instabilidade e atividade bélica; por períodos em que o exercício do poder emanou de uma autoridade de cariz monárquico; e outros, em que a gestão da cidade e região adotou formas de tipo republicano.

 

Programa

____

  • Da História de Lisboa
  • Al-Ušbūna, a Lisboa islâmica e moçárabe, entre 711 e 1147.
  • Entre monarquias e repúblicas, entre integrações e autonomias.

 

Introdução – Lisboa e o espaço circundante, entre a Antiguidade Tardia e o final do período islâmico: da cidade romana aberta à cidade muralhada medieval. Antes de 714 – A Olisipona visigoda, entre 587 – 714 – os antecedentes socio-políticos de Al-Ušbūna.

 

Al-Ušbūna

714-798 – Período moçárabe / a primeira república – autonomia moçárabe

798-844 – 1º período emiral – integração no espaço islâmico

844-876 – Entre Córdova e o Mar – as ameaças dos Normandos e a fraqueza do poder central

876-920 – Além das autonomias muladis / a segunda república

920-929 – 2º período emiral

929-1009 – período califal

1009-1015 – Fim do califado, a Grande Fitna / a terceira república

1015-1022 – Taifa ‘amirida de Badajoz

1022-1025 – Taifa ‘amirida de Lisboa

1025-1027 – Taifa aftássida (1º período)

1027-1074 – Taifa ‘abbadida

1074-1094 – Taifa aftássida (2º período)

1094-1111 – Período leonês

1111-1147 – Período almorávida

 

Bibliografia

____

  • REI, António, O Garb al-Andalus al-Aqsâ na Geografia Árabe (séculos III h. / IX d.C. – XI h. / XVII d.C.), Lisboa, IEM – NOVA FCSH / FCT, 2012.
  • REI, António, “Os Rostos do Poder na Lisboa das Taifas”, Os Rostos da Cidade, Livro do II Colóquio Nova Lisboa Medieval, IEM / FCSH-UNL / Livros Horizonte, 2007, pp. 60-71.
  • REI, António, “Ocupação Humana no Alfoz de Lisboa durante o período Islâmico (714 – 1147)”, A Nova Lisboa Medieval – Livro do I Encontro, IEM / NCEM – NOVA FCSH, 2004, pp. 25-42.
  • Silva, Manuel Fialho, Mutação urbana na Lisboa Medieval. Das Taifas a D. Dinis, Tese de Doutoramento em História Medieval, FLUL, 2017.
  • SILVA, Carlos Guardado da, Lisboa nas narrativas estrangeiras do século XII (https:// repositorio.ul.pt/bitstream/10451/30010/1/Lisboa_nas_narrativas_estrangeiras_do_s%C3%A9culo_XII_Carlos_Guardado_da_Silva.pdf

 

PROPINA

____

Ver tabela em Informações úteis.

 

docentes

____

António José da Silva Botas Rei é Investigador / Research Fellow (NOVA FCSH), desde 1/2/2019 (Norma Transitória) – Doutor em História Cultural e das Mentalidades Medievais (NOVA FCSH). – Arabista, diplomado em Língua Árabe / Nível Final (Instituto Bourguiba / Univ. Tunes I – Tunísia, 2000). – Formador (CCPFC/RFO-22092/07). – Bolseiro da JNICT / FCT (1996 – 2019); – Investigador: – na Escuela de Estudios Árabes (CSIC), Granada (2015-2017); – no Departamento de Estudos Árabe e Islámicos – Facultad de Filología, Univ. Complutense de Madrid, (2008-2010); – no Projeto DIAITA (Univ. Coimbra; Univ. Nova de Lisboa; UFRL; UECamp), desde março 2015; – no Campo Arqueológico de Mértola (2011-2013). – Membro da Comissão Diretiva da Fundação al-Idrisi Hispano-Marroquina, Tetuán / Sevilha, desde 2015; – Consultor Científico do Centro de Estudos Andalusis, na Universidade Abdel Malik Assaadi, de Tetuão (Marrocos), desde 2015; Trabalha sobre as relações culturais entre muçulmanos, cristãos e judeus na Península Ibérica e Magrebe.

  • Centro Luís Krus – Formação ao Longo da Vida
  • Cursos da Escola de Verão (EV)

As nossas redes

Para quem quer estar mais próximo do que está a acontecer