17
Jan
Data: 17 Jan a 16 Fev 2022
Horário: segundas e quartas-feiras das 15h00 às 17h30
Duração: 25h | 2 ECTS
Área: História, Património e Cultura
Docente responsável: Rui Vieira Nery
Docente: Inês Thomas Almeida
Acreditação pelo CCPFC: Não
Ensino a distância
Este curso vai ser lecionado na modalidade de Ensino a distância

 

Objetivos

____

  • Dar a conhecer o universo da música de tradição erudita europeia a pessoas sem formação específica na área;
  • obter uma panorâmica geral sobre o universo da música dita “clássica”, abordando, de uma forma acessível, peças, compositores, intérpretes, formas, estilos e seus contextos, fazendo a ligação a diversas áreas do saber como as artes visuais, a literatura, a história e a ciência, entre outros;
  • familiarizar os participantes com termos como ópera barroca, forma sonata, abertura, sinfonia ou concerto, bem como com algumas das grandes questões da produção musical ao longo dos tempos;
  • fornecer uma base sólida e um panorama geral da música europeia de tradição culta, enquadrada nas grandes correntes e transformações da História.

 

Programa

____

O Curso de Cultura Musical é um curso de introdução ao mundo da música dita “clássica”, isto é, a música de tradição culta europeia, desde o fim do século XVII até meados do século XX. Abrangendo quase trezentos anos de tradição musical, este curso destina-se primeiramente ao público não especializado em História da Música, mas também a alunos que, tendo já tido um primeiro contacto com a história das principais correntes musicais europeias, queiram complementar esta temática juntando-lhe uma abordagem interdisciplinar e transversal a outras áreas do conhecimento. Em cada aula será abordado um tema, conceito e/ou período histórico relacionado com um conteúdo musical, fazendo a ligação a outros domínios do saber como a literatura, a história, as artes e as ciências, entre outros. Trata-se de uma aproximação a este universo, de forma abrangente e genérica, mas nem por isso menos ambiciosa, tratando tanto o geral (estilo, correntes, contexto, influência) como o particular (petites histoires, singularidades, características específicas de uma peça escolhida). Os participantes serão sensibilizados para a importância do contexto histórico, para as periodizações habitualmente usadas na história da música, para os diferentes estilos musicais e para as dinâmicas de continuidade e de rutura, enfatizando o olhar do tempo longo sem descurar, sempre que se justifique, a minúcia do detalhe. A escolha dos temas não pretende de forma alguma cobrir a totalidade das correntes e estilos musicais no período em causa; pelo contrário, apresenta linhas de orientação para melhor compreender o repertório habitual em salas de espetáculos e sugerir, para cada um dos temas, contrapontos porventura menos conhecidos.

 

Programa do curso:

  • Jardins barrocos e florestas encantadas: a ideia de natureza e o artifício do engenho.
  • Meninos-prodígio e meninos de coro, de Bach a Mozart e o Seminário da Patriarcal.
  • Sonho de uma noite de verão: Mendelssohn e Bach.
  • Música programática e música absoluta.
  • Fumos e elixires: Liszt, Wagner e a obra de arte total.
  • Regresso ao tempo perdido com Proust, Paris e a Belle Époque.
  • Freud, Viena e a consciência do fim.
  • Je ne veux travailler, je veux fumer: o dealbar do século XX e a importância do contexto.
  • Admirável mundo novo, ou um ditador e um pianista entram num bar: de Hindemith a Chostakovitch.
  • Revolucionando a tradição: Schoenberg, Webern e Berg.

 

Bibliografia

____

  • Nery, Rui Vieira, e Paulo Ferreira de Castro. 1991. História da Música. Sínteses da cultura portuguesa. Lisboa: Comissariado para a Europália 91 – Portugal / Imprensa Nacional – Casa da Moeda.
  • Burkholder, J. Peter, Grout, Donald J., Palisca, Claude V. 2019. A History of Western Music. New York: WW Norton & Co.
  • Castanheira, Teresa. 2015. As cores e os sons. Lisboa: Livros Horizonte.

 

PROPINA

____

Ver tabela em informações úteis.

 

docentes

____

Inês Thomas Almeida é investigadora do INETMD/FCSH onde concluiu recentemente, sob a orientação de Rui Vieira Nery, o doutoramento em Ciências Musicais Históricas com uma tese sobre “O olhar alemão: as práticas musicais em Portugal no final do Antigo Regime segundo fontes alemãs”, pela qual recebeu a classificação máxima por unanimidade. Recebeu uma Bolsa de Mérito da Universidade de Évora em 2001 e 2002, atribuída ao melhor aluno de cada curso. Viveu na Alemanha entre 2003 e 2016 onde criou uma ONG para o apoio à comunidade portuguesa em Berlim. Neste âmbito, foi responsável por inúmeras iniciativas de cariz cultural, social e humanitário e recebeu vários prémios e distinções pelos serviços prestados à comunidade. Foi docente de Formação Auditiva e de História da Música do Séc. XX na Academia Nacional Superior de Orquestra. Tem artigos publicados em revistas científicas da especialidade, sobre salões literários berlinenses e sobre relatos de viagem a
Portugal no fim do século XVIII.

Rui Vieira Nery é musicólogo, professor associado da Universidade Nova de Lisboa e investigador do INETMD. Doutorou-se em Musicologia pela Universidade do Texas em Austin. Na Fundação Calouste Gulbenkian foi Diretor-Adjunto do Serviço de Música, Diretor do Programa Gulbenkian Educação para a Cultura e Diretor do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas. É autor de diversos estudos sobre História da Música Portuguesa, dois dos quais receberam o Prémio de Ensaísmo Musical do Conselho Português da Música, bem como de largo número de artigos científicos publicados em revistas e obras coletivas especializadas, tanto portuguesas como internacionais. Foi condecorado com a Comenda da Ordem do Infante D. Henrique por serviços prestados à Cultura portuguesa e com a Medalha de Ouro da Cidade de Lisboa. Foi Comissário Nacional para as Comemorações do Centenário da República e Presidente da Comissão Científica da candidatura do Fado a Património Cultural
Imaterial da Humanidade.

  • Centro Luís Krus – Formação ao Longo da Vida
  • Cursos de ANO NOVO (CAN)

As nossas redes

Para quem quer estar mais próximo do que está a acontecer