Ano letivo 2021/22: aulas vão ser presenciais

No ano letivo 2021/22 será retomado o funcionamento presencial das atividades de ensino, investigação e serviços na NOVA FCSH. Progressivamente, serão também retomadas atividades científicas e culturais. 

Segundo o Despacho n.º30/2021 da Reitoria da Universidade NOVA de Lisboa, disponível na Intranet, «esta retoma deve ser efetiva, mas cautelosa, dado que a pandemia não se acha totalmente controlada e importa continuar a manter a segurança para alunos e todo o pessoal da Universidade. Cabe a cada um, em nome da segurança coletiva e para manter a atividade académica, zelar pelo cumprimento destas regras [regras de etiqueta respiratória, a lavagem frequente das mãos e o uso de máscara corretamente aplicada], tomar uma atitude responsável face à vacinação, testar-se regularmente (auto-testes), mas sobretudo após contactos suspeitos ou o aparecimento de queixas, e não frequentar a Universidade em caso de doença, seguindo as indicações específicas da DGS».

«Ficaremos igualmente atentos ao evoluir da situação sanitária, que a todos ainda preocupa, desde já, apelando à prudência e ao respeito pelas recomendações que nesse âmbito vão sendo difundidas pelas entidades competentes», pode ler-se num e-mail dirigido à comunidade estudantil. O Diretor da NOVA FCSH acrescenta que «serão asseguradas as condições necessárias ao bom funcionamento da Faculdade, atendendo nomeadamente às condições específicas que caracterizam os seus diferentes espaços, quer na Av. de Berna quer no Campus de Campolide. Sobre esta matéria, iremos informando os membros da NOVA FCSH das condições em que tal processo irá ocorrer». 

O ano letivo começa a 20 de setembro (mestrados, doutoramentos e pós-graduações). A 27 têm início as aulas de licenciatura e começa a semana de inscrições no 1.º ano (em breve estarão disponíveis no site e redes sociais todas as informações sobre o processo).

A NOVA FCSH deseja a toda a comunidade um bom ano letivo, tranquilo e cheio de sucessos.

As nossas redes

Para quem quer estar mais próximo do que está a acontecer