Contra-Retratos. A subversão do grão fotográfico

Maria da Luz Correia

Abstract


O presente artigo propõe-se elencar os motivos mais recorrentes da prática lúdica retratística das últimas décadas do séc. XIX e das primeiras do séc. XX e pensá-los à luz do conceito de jogo (Caillois, 1958), e da noção de montagem (Benjamin, 2012b, 1991, 1989). Outrora difundidos nos postais ilustrados, na imprensa, nos manuais de fotografia amadora e nos álbuns familiares, e hoje expostos no museu e recuperados no ciberespaço, os retratos lúdicos da viragem do século, aqui agrupados sob a designação de fotografia recreativa, eram praticados por fotógrafos amadores em contexto doméstico, mas também por fotógrafos comerciais em estúdio, feiras populares e parques de diversão (Chéroux, 1998, 2005). Permitindo restabelecer a dupla pertença da fotografia ao mundo mágico do espetáculo e ao mundo técnico da ciência (Gunning, 1995), os contra-retratos exibem um particular encontro do humano com a técnica, avariando o meio fotográfico, na medida em que fazem do seu dispositivo reprodutivo um dispositivo recreativo, e convertem a fixação do tempo passado num animado passatempo, que esconjura qualquer jogo triste.

Keywords


fotografia recreativa; jogo; montagem; retrato; técnica

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Copyright (c) 2017 Maria da Luz Correia

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Indexation 

Evaluation systems:

ERIH PLUS  (The European Reference Index for the Humanities and the Social Sciences)

LATINDEX e ProQuest / CSA (Cambridge Scientific Abstracts)


Journal of Communication and Languages |  ISSN 2183-7198

 Licença Creative Commons

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.