AS CIDADES INTELIGENTES E AS NARRATIVAS DE FUTURO

Herlander Elias

Abstract


De algum tempo a esta parte, temos vindo a passar da polis para a technopolis. A evolução dos digital media tem tornado as cidades numa máquina 2.0. Os cidadãos agora confiam nas imagens do futuro e nas propostas de sustentabilidade, energias renováveis e melhor mobilidade urbana. Enquanto o automóvel é reconfigurado neste novo conceito de cidade, já o telemóvel, o smartphone, torna-se o controlo remoto para se aceder à cidade dos bits (de informação digital). Na cidade inteligente, o nosso rasto digital é compreendido pela moldura técnica da cidade. Hoje em dia, consumimos também narrativas de futuridade, queremos acreditar que podemos ativamente intervir em cidades inteligentes e que, uma vez tendo o computador saído da caixa, o futuro promete acesso a uma sociedade de informação em que a cidade é o novo palco futurista de acesso a dados, capital, tendências e promissoras indústrias culturais. Mais do que um acervo do passado, as novas cidades inteligentes preparam-se para receber novos cidadãos mais ativos e criativos. Resta saber, respeitando cada cidade a sua narrativa de futuridade, se a realidade se consolidará numa utopia, numa distopia ou numa protopia (que é o mais provável), devido à expansão dos meios digitais.


Keywords


narrativa, futuro, protopia, cidade inteligente, digital

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Copyright (c) 2018 Herlander Elias

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

The journal of Language and Communication is index in LATINDEX and ProQuest/CSA (Cambridge Scientific Abstracts). 

Journal of Communication and Languages | ISSN 2183-7198