Acções do Documento

Amor e sexualidade no mundo árabe

No contexto do projeto CAPSAHARA, em 2016 distinguido com uma Bolsa ERC, Corinne Fortier, antropóloga, vai estar na NOVA FCSH para falar de relações amorosas no Norte de África.

Os resultados de uma investigação realizada no Egipto e Mauritânia por Corinne Fortier, antropóloga cultural, investigadora do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica (CNRS) e membro do Laboratório da Antropologia Social (LAS) (CNRS-EHESS-Collège de France-Universités PSL, Paris), vão ser o tema central de uma conferência na Sala Multiusos 2. O evento, que tem por tema “Amor, género, corpo e sexualidade no mundo Islamo-Árabe e no Saara”, terá lugar no dia 4 de fevereiro às 16h no Edifício ID.

Segundo a organização, onde se insere o Centro em Rede de Investigação Antropológica (CRIA), “temas como o amor, ou a sexualidade, foram até recentemente claramente negligenciados na produção académica relativa a contextos árabes e muçulmanos”. Colmatando o facto, “esta conferência procurará tratar as dinâmicas específicas da intimidade e do amor, sob diferentes perspetivas: o amor enquanto sentimento cultivado por jovens solteiros, enquanto casal, ou como atributo típico das relações extraconjugais (no caso da Mauritânia). Entre as populações Mouras do Saara os terrenos da paixão e da sedução são frequentemente convertidos em poesia, paralelamente a um espaço matrimonial paralelo, esse governado pela jurisprudência muçulmana (fiqh). Inúmeros exemplos afirmam o namoro como uma prerrogativa masculina, pressupondo-se que as mulheres apenas indiretamente exprimem o seu desejo. O facto de os homens serem vistos como sujeitos de desejo e as mulheres como seu objeto, constitui um elemento transcultural comumente partilhado em inúmeras sociedades, o que implica a apropriação pelos homens do corpo feminino, e a subsequente estruturação das relações entre pessoas de género diferente”.

O projeto CAPSAHARA tem como objetivo analisar as estruturas sociais e políticas na região oeste do Saara, estudar as suas variações locais, perceber quais as suas características específicas através de marcadores sociais (idade, género, escolaridade) e determinar a utilização destas em diferentes períodos da história.

 

2019-01-28 16:00
Topo da Página
classificado em: