logotipo medievalista

 
   
 
Número 9 | Janeiro - Junho 2011 ISSN 1646-740X
 

IEM

NÚMERO 9 / CURRENT ISSUE

logo FCSH

FCT


 

 

 

 

Resumos / Abstracts

    imprimir mail indice
 
Ana Maria Rodrigues
Projectos de investigação em História Medieval financiados pela FCT nos últimos 10 anos [VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
 
In this article we evaluate the relative position of the research projects on Medieval History among the whole of the research projects on History, submitted for funding to the Portuguese Foundation for Science and Technology (FCT) in the last ten years. We concluded that the Middle Ages had always a discrete but equivalent position both among the applications and the approved projects; this only changed in 2008, when none of the thirteen projects on Medieval History was approved, precisely when not a single medievalist was part of the jury. We also tried to evaluate the productivity of the financed projects through an Internet search and found out that the data provided is partial and insufficient; the research teams need to make an additional effort to disclose the results of their projects in the World Wide Web and the FCT should also be more demanding concerning that issue.
Keywords: Medieval History, research projects, funding, Internet.

Neste artigo, avalia-se o peso que os projectos de investigação no âmbito da História Medieval tiveram, nos últimos dez anos, no conjunto dos projectos de História submetidos aos diferentes concursos lançados pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Constata-se, assim, que a presença da Idade Média foi sempre bastante reduzida, quer entre as candidaturas quer entre os projectos financiados, mas praticamente equivalente em ambos; tal apenas não aconteceu no concurso de 2008, em que nenhum dos treze projectos de História Medieval foi aprovado, coincidindo com uma total ausência de medievalistas do painel de avaliadores. Também se procurou apurar a produtividade dos projectos financiados através de uma pesquisa na Internet, concluindo-se que a informação aí disponibilizada a esse respeito é parcial e insuficiente, sendo necessário um maior esforço na divulgação dos resultados por parte das equipas e uma maior exigência nesse sentido pelo lado da FCT.
Palavras-chave: História Medieval, projectos de investigação, financiamento, Internet.
 
 
florao cinz   topo home
  Marta Serrano Coll
Programas Ideológicos a través de la Imagem: algunos ejemplos de la Edad Media [VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
 
The iconography of Jacques the Conqueror is the result of ideological programs originated by official institutions or by the monarchy itself. It implies a positive judgement of the king’s profile, that short after his mourned death, was given a legendary aura. This nevertheless did not always count with the Church’s support. Some examples of the attributions to the king are: epical crussader against the infidel sarracins, epitomy of a hero, root of a glorious dinasty in Valencia and Mallorca, etc. And those were mere samples of the different meanings that the recorded effigies express. Meanings that offer an extraordinary vision of king Jacques I, although not always close to reality.
Keywords: Jacques the Conqueror, Saint George, Iconography, Monarchy, King’s liturgy.

Sob a iconografia de Jaime Conquistador desenvolvem-se, de forma mais ou menos aberta, programas ideológicos realizados por organismos oficiais ou pela própria monarquia. Estes programas denotam um claro favorecimento da sua figura que, pouco a pouco, e depois da sua chorada morte, foi envolta numa áurea legendária ainda que, é certo, não tivesse tido o apoio da instituição eclesiástica. Acérrimo foralista, épico cruzado contra os infiéis sarracenos, protótipo de herói, a raiz duma gloriosa dinastia de Maiorca e Valença... É apenas uma pequena amostra dos diversos significados que as imagens compiladas sugerem, oferecendo uma visão extraordinária, ainda que nem sempre ajustada à realidade, do rei Jaime.
Palavras-chave: Jaime Conquistador, São Jorge, Iconografia, Instituição monarquica, liturgia regia.
 
 
florao cinz   topo home
 
Miguel Torres García
Contribución al estudio del desarrollo urbano del sector Norte extramuros de la primera cerca sevillana. Morfogénesis del sector entre las calles Feria, Perís Mencheta y la Alameda de Hércules
[VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
This paper sets out more plausible a hypothesis than those formulated to the moment regarding the early development of the urban tissue enclosed amidst Seville’s streets Feria, Castelar, Pasaje Morgado, Perís Mencheta and the Alameda de Hércules. It is grounded on a historical approach, supported by archaelogical, topographic and geological data in order to identify its origins as an Islamic Seville’s suburb destined to industrial activities, which took shape between mid 9th century and the construction of the almoravid-almohad wall. Consequently it defends the hypothesis of Bab al Hadid gate being opened by command of Abd al Rahman II on the Imperial Roman wall in the whereabouts of San Juan de la Palma Square.
Keywords: Sevilla, medieval, arrabal, hadid, Alameda
.
El presente texto expone una hipótesis más plausible que las formuladas hasta ahora acerca del desarrollo temprano de la porción de tejido urbano comprendida entre las calles Feria, Castelar, Pasaje Morgado, Perís Mencheta y la Alameda de Hércules de Sevilla. Se basa en una aproximación historiográfica apoyada por datos arqueológicos, topográficos y geológicos para identificar su origen como un arrabal de la Sevilla islámica destinado a usos industriales, que tomó forma entre mediados del siglo IX y la construcción de la muralla almorávide-almohade. Consecuentemente se defiende la hipótesis de que la puerta Bab al Hadid se abriera por iniciativa de Abd el Rahman II en la muralla imperial romana en las inmediaciones de la Plaza de San Juan de la Palma.
Palavras-chave: Sevilla, medieval, arrabal, hadid, Alameda.
 
florao cinz   topo home
  Inês Villela-Petit
Les Recettes pour l'enluminure. Do Livro judaico-português de como se fazem as cores [VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
  Kept in the Hebraic section of the Biblioteca Palatina of Parma (Italy), the Livro de como se fazem as cores is a Portuguese recipe book for book painting. Before turning to its technical contents, it is worth putting it back in its literary context, at the crossroads of different traditions: Western, Hebrew, or even Arab. The study also offers a likely dating for the book and suggests links with illuminated manuscripts in the Iberian Peninsula.
Keywords: Illuminated manuscripts, colors, pigments, Iberian Peninsula.
  Guardado na secção hebraica da Biblioteca Palatina de Parma, em Itália, o Livro de como se fazem as cores, é um livro de receitas português para a pintura de livros. Antes de focar o estudo nos seus conteúdos técnicos, vale a pena atentar ao seu contexto literário, que congrega diferentes tradições: ocidental, hebraica, ou mesmo árabe. Este estudo oferece também uma data provável para a obra e sugere ligações a outros manuscritos iluminados na Península Ibérica.
Palavras-chave: Iluminura, cores, pigmentos, Península ibérica.
florao cinz   topo home
 
José Alberto Moráis Morán
Un largo proceso en la definición historiográfica de las fuentes del arte medieval: el arte antiguo como referente para la escultura románica
[VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
  In this article it is reflected on the principal historiographic contributions around the study of the ancient legacy present in the Romanesque sculpture. Since the appearance of the "Romanesque" term, coined by Charles de Gerville in 1818, until the publication in 1960 of the Erwin Panofsky´s book Renaissance and Renascences in Western Art, it was advanced a lot in the definition of such influences. Actually it is tried to present a synchronous panorama that allows to put into context the current researches on this highly topical subject.
Keywords: Romanesque; historiography; romanesque sculpture; medieval art; medieval sources.
 
O presente artigo reflecte sobre os principais contributos historiográficos que se vêm desenvolvendo no âmbito do estudo do legado antigo, presente na escultura românica. Desde o surgimento do termo "Românico", criado por Charles de Gerville, em 1818, até à publicação, em 1960, da obra Renascimento e Renascimentos, por Erwin Panofsky, muitos foram os avanços realizados com o objectivo de clarificar a especificidade de tais influências. Assim, propomo-nos definir um quadro sincrónico, no qual se estruturam as investigações levadas a cabo, revelando-se a máxima actualidade de que o tema continua a revestir-se.
Palavras-chave: Românico; historiografia; escultura românica; arte medieval; fontes medievais.
florao cinz   topo home