logotipo medievalista

 
   
 
Número 8 | Julho - Dezembro 2010   ISSN 1646-740X
 
IEM

Número 8
APRESENTAÇÃO


EDIÇÕES ANTERIORES
Todos os números >>


LINKS
Revistas Internacionais
Normas para Autores


DIRECTOR / EXECUTIVE EDITOR
José Mattoso
SUBDIRECTOR
Bernardo de Vasconcelos e Sousa

REDACÇÃO / EDITORS
Adelaide Miranda;
Adelaide Millán Costa; Bernardo de Vasconcelos e Sousa; Luís Filipe Oliveira;
Pedro Chambel

ASSISTENTE DE REDACÇÃO / EDITORIAL ASSISTENT
Maria Coutinho

CONSELHO EDITORIAL /
REVIEW EDITORS

Maria de Jesus Viguera; Joseph Morsel; Stephane Boisselier; Patrick Geary; Maria João Branco; Mário Barroca; José Meirinhos; Gerardo Boto Varela; José Ángel Garcia de Cortázar; Hilário Franco; Teresa Amado; Maria Helena da Cruz Coelho; Cláudio Torres; Ana Maria Rodrigues; António Resende de Oliveira; Armando Luís de Carvalho Homem; Cláudia Rabel

WEB DESIGNER
Ana Pacheco

CONTACTO
Instituto de Estudos Medievais
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - UNL

medievalista@fcsh.unl.pt

ISSN 1646-740X

FCT




 

 

O Mundo do Fantástico na Arte Românica e Gótica em Portugal.

Tese de Mestrado em História da Arte, apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em Julho de 2007. Orientação do Prof. Doutor José Custodio Vieira da Silva

 

 

Marisa Costa Marques

costa.misc@gmail.com

TEXTOCITAÇÃO imprimir PDF imprimir mail indice
   
  O tema principal deste estudo foi fundamentado sobretudo no imaginário do Homem medieval em Portugal.

Os bestiários configuram-se como documentos primordiais que influenciaram fortemente a sensibilidade e espiritualidade dos artistas desta época. A sua visão poética e moralizante do mundo, reflectiu-se nas alegorias e simbolismos das artes medievais. Os animais e criaturas monstruosas ou híbridas serão porventura o motivo escultórico que mais curiosidade desperta em nós e que mais efeito de intimidação provocaria na mentalidade da sociedade da Idade Média.

Tentámos no entanto interpretar as simbologias inerentes aos monstros e seres híbridos presentes em muitos capitéis e portais das nossas igrejas.

Porém era primordial começar por procurar definir alguns conceitos essenciais à compreensão dessas criaturas imaginárias, assim sendo começamos pelo Mito, depois a Lenda, seguida da Fábula e finalmente o Conto.

De definição complexa, o Mito é essencialmente narrativa de uma criação, que nos conta de que modo, algo até então inexistente, passou a existir, com interveniência sobrenatural. Sujeitos a várias classificações, os mitos influenciaram as artes em geral, muitas vezes propagados através da escrita. Mito e Cristianismo ocupam posições antagónicas, no entanto o segundo absorveu elementos do primeiro. As Sagradas Escrituras referem figuras mitológicas com a “Árvore da Vida” ou o “Dragão”. Na Idade Média surgem vários exemplos do pensamento mítico, como por exemplo: o Mito do Santo Graal, o Mito do Vampirismo, ou o Mito das Amazonas.

O Mito insere-se no sistema de crenças de uma sociedade e é um factor essencial da civilização humana, com os seus símbolos e signos. Possui uma lógica baseada no imaginário humano e reflecte a perplexidade e ansiedade do homem, na busca de explicação para a sua própria existência.

Muitas vezes confundida com o Mito, a Lenda é uma forma de narrativa muito ancestral que relata acontecimentos ocorridos em determinada época e local, e em que o maravilhoso e imaginário se sobrepõem ao histórico e verdadeiro. Na sua maioria, anónimas e preservadas pela transmissão oral, cujos protagonistas são pessoas, animais e criaturas com poderes sobrenaturais, as lendas misturam o fantástico com o real e vão-se modificando consoante o local e a época.

Tal como a Lenda, a Fábula tem sempre um objectivo pedagógico, não passando de um pequeno conto, protagonizado por animais e reflecte sempre uma lição moral. As personagens têm acções semelhantes às humanas e fazem sempre uma sátira aos vícios e costumes. As Fábulas mais antigas que se conhecem são atribuídas a Esopo.

Por sua vez o Conto também possui um cariz fabuloso e fantástico, inspirado na mitologia, transmitido oralmente através de gerações. O Conto distingue-se, na literatura, pelo tamanho e estrutura. Geralmente tem apenas uma personagem principal. No seu enredo surge muitas vezes a magia, o maravilhoso, o herói que supera duras provas, numa espécie de ritual iniciático.

Mas tornou-se também para nós primordial tentar definir as criaturas monstruosas ou híbridas. Esses seres fabulosos referidos nos bestiários, provenientes de fértil imaginação, mas pouco questionados. Criaturas insólitas reveladas pelos viajantes, que encantaram o imaginário popular. O animal monstruoso foi quase sempre conotado com o Mal. Por seu lado o ser Híbrido não era menos assustador. Monstros e Híbridos integraram-se nas artes quase sempre com um sentido alegórico.

Contudo, para podermos tentar interpretar e atribuir algum significado às esculturas por nós analisadas, tivemos de ter em conta ainda outros conceitos como a Arte, a qual se insere num contexto cultural, local, temporal, histórico, dependendo também da sensibilidade e imaginação do artista; a Estética, que define o gosto de cada pessoa, estuda o Belo, as funções da Arte, a qualidade da obra, o processo da sua criação e a sua aceitação pelo público e também como não poderia deixar de ser, o Belo, identificado na época, com o Bem, o espiritual, o divino. No entanto o caminho para o Belo é bastante complexo.

Abordámos ainda, neste estudo, a temática das influências sofridas pela Arte Medieval europeia, a qual muito ficou a dever a outros povos e culturas tais como a Arte Bárbara, a Arte Bizantina, a Arte Islâmica, a Arte Carolíngia e a Arte Greco-Romana.

As religiões, rituais e costumes destes períodos, as suas manifestações artísticas em junção com a metamorfose estética operada pelo Cristianismo marcaram indelevelmente a arte europeia da Idade Média.

Nos séculos XI e XII o Românico, que em Portugal se estenderá até à primeira metade do século XIII, predominará na Europa Ocidental, com a sua exuberância escultórica, trazendo uma profusão ornamental de seres imaginários.

Em Portugal a escultura românica chegou pelos monges de Cluny e estendeu-se do Minho ao Alentejo, ela invadirá, tendo como lugar de eleição tímpanos, portais, arcadas, frisos, arquivoltas e capitéis, embora por vezes sem exuberância, em alguns programas iconográficos presentes noutras regiões.

E se no Românico a escultura adapta-se ao suporte arquitectónico, daí por vezes as suas desproporções, já no Gótico vai adquirir algum movimento, perspectiva e volume.

A iconografia do Românico converteu criaturas imaginárias em símbolos de virtudes e vícios. Apesar de focalizada em fins pedagógicos pela Igreja conteve também o maravilhoso e o misterioso.

Na catedral gótica a escultura adquire naturalidade, expressividade. O espaço é ocupado de forma mais clara e ordenada.

O período Gótico trouxe uma evolução na interpretação da natureza e também do papel do artista. O Gótico libertará o escultor dos limites arquitectónicos, contrapondo à rigidez anterior o movimento e expressividade.

Apesar das figuras fantásticas e híbridas terem recebido a nossa particular atenção, também nos detivemos na simbologia da Árvore da Vida, uma vez que ela surge frequentemente ladeada por animais míticos (um dragão e um grifo ou dois dragões).

 

ÁRVORE DA VIDA – Com origem no Livro do Génesis, surge também no Livro do Apocalipse e está associada à cruz de Cristo.

Temos representações da Árvore da Vida em várias igrejas, das quais destacamos a Igreja de São Cristóvão de Rio Mau (Figura I) e a Capela de Nossa senhora da Orada (Figura II).

Ig

Figura I - Tímpano do Portal Norte

 

Capela de Nossa Senhora da Orada 002

Figura II - Tímpano do Portal Norte da Capela de Nossa Senhora da Orada

 

CENTAUROS – É uma combinação ancestral do homem com o animal (cavalo). Criaturas selvagens e guerreiras combinavam o instinto animal com a sabedoria humana, simbolizam a união do irracional com o racional.

Podemos encontrar um centauro na Igreja de S. Cristóvão de Rio Mau (Figura III).

Ig

Figura III - Capitel do Portal Norte da Igreja de S. Cristóvão de Rio Mau

 

DRAGÕES – São criaturas misteriosas e fascinantes, presentes em variadas versões da luta do Bem com o Mal, que protagonizaram muitas lendas e mitos, fazendo parte do folclore de inúmeras regiões, os dragões foram os adversários ideais dos heróis, algumas vezes conotados com o Bem mas na maioria símbolos do Mal.

Animais fantásticos comuns em todas as mitologias e também na iconografia do Cristianismo. A sua imagem foi frequentemente adaptada na heráldica.

Existem vários exemplares de dragões nos capitéis e tímpanos das nossas igrejas, sendo as mais notáveis no Convento de Nossa Senhora da Conceição (Figura IV); na Igreja Matriz da Golegã (Figura V) e no Palácio de D. Manuel (Figura VI).

Sala do Capítulo 4   Sala do Capítulo 1

Figura IV - Portal da Sala do Capítulo do Convento de Nossa Senhora da Conceição

Igreja Matriz da Golegâ séc

Figura V - Portal Principal da Igreja Matriz da Golegã

 

Janela Principa 1

Figura VI - Janela do Palácio de D. Manuel

 

GRIFOS – São considerados criaturas híbridas, uma estranha combinação do corpo de um leão com asas de águia, que vigiavam os locais sagrados, eram os guardiães dos deuses. Símbolo da natureza humana e divina de Cristo.

Representações de grifos podem ser observadas na Igreja Matriz de Nossa Senhoras da Graça (Figura VII) e na Igreja Santa Madalena (Figura VIII).

 

Ig 

Figura VII – Colunas da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Graça

 

 Santa Madalena (Olivença) 004

Figura VIII – Portal da Igreja Santa Madalena

 

HARPIAS – São criaturas monstruosas uma combinação do corpo de abutre e rosto feminino, com bico e garras, exalando um odor fétido. Destruidoras e vorazes, eram demónios alados implacáveis.

Os exemplares de harpias mais curiosos e interessantes, podem ser vistos na Igreja do Mosteiro de Santo Tirso (Figura IX) e na Igreja Matriz de Atouguia da Baleia (Figura X).

 

Ig                      Ig

Figura IX – Claustro da Igreja do Mosteiro de Santo Tirso

 

Peniche-Autoguia da Baleia 003

Figura X -  Capitel da Igreja Matriz de Atouguia da Baleia

 

SEREIAS – O mito das sereias, presente em várias culturas, permanece fascinante. Representadas na época grega como mulheres pássaros, transfiguram-se na Idade Média em mulheres peixes. Criaturas híbridas, a sua mutação também provocou modificações na sua simbologia. Para o Cristianismo significavam pecado, vaidade e luxúria. Existem também algumas representações de sereias bífidas.

As representações mais expressivas de sereias que encontrámos estão na Igreja do Mosteiro dos Lóios de Vilar de Frades (Figura XI) e na Igreja de Nossa Senhora da Assunção (Figura XII).

 Ig      

Figura XI -  Arquivolta do Portal da Igreja do Mosteiro dos Lóios de Vilar de Frades

 

Sé de Elvas1

Figura XII -  Capitel da Igreja de Nossa Senhora da Assunção

 

O animal sempre foi parte integrante da vida do homem, e na arte, em particular na escultura, a sua simbologia variou consoante a época, o local, o material utilizado, os valores culturais e as influências de outros povos.

Símbolos de virtudes e vícios, os animais fantásticos foram na Idade Média associados ao espaço cristão, ao templo.

A Arte Românica foi a primeira com dimensão europeia e especialmente a escultura, reflectiu uma estreita relação com a literatura e as artes móveis.

O Românico Português teve uma expressão muito própria da nossa cultura e tradições.

Concluímos então que de facto os animais fantásticos mais representados no Românico Português são os dragões e as sereias.

Os dragões começaram por se símbolos de sabedoria e magia, mas o Cristianismo transformou-os numa encarnação do Mal, mantendo contudo sempre uma aura de mistério.

Símbolos do ar, do fogo, da água e da terra, são geralmente representados como grandes repteis, de corpo escamado, asas de pássaro, garras de águia, com chifres e cauda serpentinada, exalando fogo.

As sereias também oscilaram entre símbolos do Bem e do Mal. Representadas de início como seres alados surgem no Românico como mulheres-peixe, não se sabendo ao certo se a tradição oral transformou a sereia numa figura feminina sedutora, maléfica e perigosa ou se o ascetismo e a reforma gregoriana foi buscar a lenda da tradição oral e a tornou objecto de repulsa.

Também as harpias têm algum destaque, representadas frequentemente como criaturas monstruosas, significam as paixões obsessivas e o remorso inerente à satisfação das mesmas.

Conotadas com as energias cósmicas, sugerem a provocação dos vícios e maldades e só podem ser afugentadas pela força do espírito. A sua aparência é a de mulheres com corpo de abutre, rosto feminino, bico e unhas recurvas e segundo a lenda exalavam um odor fétido.

Foram a imagem dos ventos, das secas, fomes e epidemias. Imunes à ira dos deuses, eram forças brutais da natureza, pálidas e gélidas como o vento, destruidoras e vorazes, demónios alados implacáveis.

Por sua vez, representados em menor número surgem os centauros e os grifos. Os primeiro possuem também múltipla simbologia: sábios, guerreiros, mas também associados à luxúria e aos vícios em geral.

Os grifos eram conotados com a natureza humana e divina de Cristo, leais e valentes, protegiam os lugares sagrados.

Todavia os animais fantásticos, na maioria das vezes, poderão ser produto da imaginação do homem medievo, mas o que é certo é que estes ultrapassaram os tempos, continuando a alimentar a nossa fantasia até hoje.

 

 

Tema

Nome

Localização

Suporte

A Árvore da Vida

Igreja de S.Cristovão

de Rio Mau

Portal Norte

Tímpano

Capela de Nossa

Senhora da Orada

Portal Norte

Tímpano

Igreja de S. Pedro

de Bravães

Portal Sul

Tímpano

Igreja S. Martinho

de Cedofeita

Portal Principal

Capitéis

Igreja Matriz de Alvor, Igreja do Divino Salvador de Alvor (Portimão)

Portal Principal

Colunas e Arquivoltas

Tema

Nome

Localização

Suporte

Os Dragões

Igreja S. Martinho

de Cedofeita

Portal Principal

Capitéis

Igreja Matriz de Autogia da Baleia (S. Leonardo)

Portal Principal

Capitéis

Convento do Mosteiro de Santa Cruz de Celas

Claustro

Capitel Duplo

Mosteiro Alcobaça

Claustro

Capitéis

Convento Nossa Senhora da Conceição (Beja)

Interior

Portal Sala Capítulo

Igreja de Nossa Senhora da Graça (Moncarapacho, Olhão)

Interior

Capela do Calvário: Capitéis

Igreja Matriz da Golegã

Portal Principal

Colunas

Convento do Mosteiro dos Loios, Igreja de Nossa Senhora da Assunção (Arraiolos)

Portal Principal

 

Palácio de D. Manuel

Janela

 

Tema

Nome

Localização

Suporte

O Centauro

Igreja de S.Cristovão

 de Rio Mau

Portal Norte

Coluna

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tema

Nome

Localização

Suporte

Os Grifos

Igreja de Nossa Senhora da Graça (Moncarapacho, Olhão)

Interior

Coluna

Igreja Santa

Madalena (Olivença)

Portal Sul

Colunas

As Harpias

Igreja do Mosteiro de

S. Bento de Santo Tirso

Claustro

Colunas/Pilastras

Igreja Matriz de Autogia

da Baleia (S. Leonardo)

Interior

Capitel Nave Lateral Esquerda e Central

Sé Lisboa

Portal Principal

Capitel

Claustro

Capitel

Tema

Nome

Localização

Suporte

As Sereias

Igreja de S. Pedro

de Rates

Portal Principal

Capitel

Igreja do Mosteiro

dos Lóios de Vilar de Frades

Portal Antigo

2ª Arquivolta

Sé Braga

Portal Principal

Arquivolta

Igreja de S.Cristovão

de Rio Mau

Portal Principal

Tímpano

Portal Norte

Capitéis

Igreja de Almacave (Lamego)

Portal Principal

Capitel

Igreja de Nossa Senhora da Assunção (Elvas)

Interior

Mísula e Capitel

 

florao cinz COMO CITAR ESTE ARTIGO topo home
   
 
Referência electrónica
MARQUES, Marisa Costa – O Mundo do Fantástico na Arte Românica e Gótica em Portugal. O género diplomático ‘notícia’ na documentação medieval portuguesa (séculos X-XIII). Tese de Mestrado em História da Arte, apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em Julho de 2007. Medievalista [Em linha]. Nº8, (Julho de 2010). [Consultado dd.mm.aaaa]. Disponível em http://www2.fcsh.unl.pt/iem/medievalista/MEDIEVALISTA8\marques8013.html. ISSN 1646-740X.
florao cinz   topo home