online

 

Número 7
EDITORIAL
RESUMOS / ABSTRACTS
ARTIGOS
RECENSÕES
NOTAS DE INVESTIGAÇÃO


EDIÇÕES ANTERIORES
Todos os números >>

LINKS
Revistas Internacionais
Normas para Autores

DIRECTOR / EXECUTIVE EDITOR

José Mattoso
SUBDIRECTOR
Bernardo de Vasconcelos e Sousa
REDACÇÃO / EDITORS

Adelaide Miranda;
Bernardo de Vasconcelos e Sousa; Luís Filipe Oliveira;
Pedro Chambel

ASSISTENTE DE REDACÇÃO / EDITORIAL ASSISTENT
Maria Coutinho
CONSELHO EDITORIAL /
REVIEW EDITORS

Maria de Jesus Viguera; Joseph Morsel; Stephane Boisselier; Patrick Geary; Maria João Branco; Mário Barroca; José Meirinhos; Gerardo Boto Varela; José Ángel Garcia de Cortázar; Hilário Franco; Teresa Amado; Maria Helena da Cruz Coelho; Cláudio Torres; Ana Maria Rodrigues; António Resende de Oliveira; Armando Luís de Carvalho Homem; Cláudia Rabel
WEB DESIGNER
Ana Pacheco
CONTACTO

Instituto de Estudos Medievais
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - UNL
Av. Berna 26 C, 1069-061 Lisboa
medievalista@fcsh.unl.pt

ISSN 1646-740X

FCT

ano 5  ● NÚMERO 7  2009
ISSN 1646-740X

[IMPRIMIR VERSÃO PDF]
[COMENTAR ARTIGO]
◄◄ [INDICE]

Resumos abstracts

José Ángel García de Cortázar
La historiografía de tema medieval hispano: una reflexión sobre el oficio y la producción del medievalista en los años 1982 a 2007 [VER TEXTO INTEGRAL]

A critical reflexion about the historiographical production towards the middle ages in the last 25 years. It analyses factors, stimuli and results and destinies of the scientific production. The actual situation suggests that the quality of the research tends to decrease, and on the opposite, the quantity tends to grow, mainly under divulging forms. The article proposes causes and consequences of the actual situation. It also proposes a global reflection about what historiography should the medievalists produce, how and to whom.

Reflexão crítica sobre a produção medievalística em Espanha durante os últimos vinte e cinco anos. Análise dos factores, unidades, estímulos, resultados e destinos da produção científica. A situação actual sugere que a qualidade científica da investigação tende a diminuir, mas a quantidade a aumentar, sobretudo sob a forma de múltiplas formas de divulgação. Indicam-se as causas e as consequências da situação actual. Convidam-se os medievalistas a reflectir sobre as seguintes questões: que espécie de bens historiográficos se devem produzir? Como? Para que destinatários?.

 

José Meirinhos
O sistema das ciências num esquema do século XII no manuscrito 17 de Santa Cruz de Coimbra (Porto, BPM, Geral 21) [VER TEXTO INTEGRAL]

The ms. 17 of Santa Cruz de Coimbra (now Porto, BPM, Geral 21) includes the complete text of Isidore of Seville’s Etymologies. In the back of the initial folio of this manuscript, which was blank, someone drew the geometric diagram of the division of science (scientia) or philosophy, with several branches and sub-branches. In this study it is analysed the importance of the division of science, searching in the textual tradition and in other similar diagrams, which are the theoretical options and sources of the diagram included in Coimbra’s manuscript. The diagram reflects the state of the discussion in the late 12 th century, going against the simple model of the 7 liberal arts, and reveals the influences of the schools of Paris, especially the Victorines, and the School of Conches, with the artes mecanicae of Hugh of St. Victor and several other options that can be found in William of Conches. In the following decades, with the new peripatetic Arabic-Latin translations, the diagrams would be once again changed to include the new sciences, but some of them were already part of diagrams such as the Coimbra one, which includes the Aristotelian classification of Philosophy, also transmitted by Isidore of Seville.

O ms 17 de Santa Cruz de Coimbra (agora Porto, BPM, Geral 21) contém o texto integral das Etimologias de Isidoro de Sevilha. N0 verso do fólio inicial deste manuscrito, que estava em branco, alguém traçou um esquema geométrico de divisão da ciência (scientia) ou filosofia, com diversos ramos e sub-ramos. Neste estudo investiga-se a importância da questão da divisão da ciência, procurando na tradição textual e em outros esquemas semelhantes, quais são as opções teóricas e as fontes do esquema no manuscrito de Coimbra. O esquema reflecte o estado da questão no final do século XII, em ruptura com o simples modelo das 7 artes liberais, e denuncia a influência das escolas de Paris do século, em particular dos Vitorinos e da Escola de Conches, com as artes mecanicae de Hugo de s. Victor e várias outras opções que se podem encontrar em Guilherme de Conches. Nas décadas seguintes, com as novas traduções paripatéticas, sobretudo arabo-latinas, os esquemas estariam de novo a ser alterados para acolher as novas ciências, mas algumas delas já estavam contempladas em esquemas como o de Coimbra, que integra a classificação aristotélica da Filosofia, também transmitida por Isidoro de Sevilha.

 

Leonor Ferraz de Oliveira
As Ordens Religiosas na Diocese de Évora 1165 - 1540
[VER TEXTO INTEGRAL]

This article introduces an analysis of the regular clergy settlement in the diocese of Évora between 1165 – year of the re-establishment of the diocese – and 1540, when it was decreed as metropolis.
It presents a study of the settlement of religious orders in the diocese of Évora during this period, in order to understand how that process was related both to the political history of the region and to the strategies of the ecclesiastical organisation of the territory, mentioning as well the aims of each order.

O estudo que se apresenta consiste numa análise do processo de implantação do clero regular na diocese de Évora, ao longo de um período que medeia entre a data de restauração da diocese e a data de elevação da sua catedral à dignidade de metrópole, ou seja, entre 1165 e 1540.
Durante este período procurou-se entender a fixação das ordens religiosas na diocese, não só no âmbito da história política do território em causa, mas também das estratégias de ordenação eclesiástica do território e dos objectivos de cada uma das ordens.

 

Mário Farelo
La vocation scolaire de la chapelle de maître Pierre de Lisbonne au XIV e siècle [VER TEXTO INTEGRAL]

Associated to the memorization of the family, the chantries can also be defined through a scholarly purpose as shown by the Fourteenth-Century foundations made at Saint-Anne’s chapel founded in the church of Saint-Lawrence of Lisbon by Master Peter. Such institutions pretend to assure and to help the acquisition by certain members of his family of a formal education at elementary and superior levels. We will see that this formal learning will be an important part of the preeminence of his family in the political society of Fourteenth-Century Portugal.

Associadas a elementos de memorização familiar e votiva, as capelas podem igualmente definir-se em função de uma vocação escolar como demonstra as fundações efectuadas, ao longo do século XIV, em torno da capela de Santa Ana estabelecida na igreja de S. Lourenço de Lisboa por Mestre Pedro. Tais instituições visam garantir ou coadjuvar a aprendizagem formal dos membros da família deste último a nível elementar e a nível superior, a qual se tornará uma parte importante da projecção do grupo familiar na sociedade política do Portugal de Trezentos.

 

Clinio de Oliveira Amaral
As discussões historiográficas em torno do Infante Santo [VER TEXTO INTEGRAL]

This article is a historiographic balance of the studies about the Infante Santo. It was divided in five main subjects searched by historians. In the beginning, there is the study of his public cult and his politic action. Afterwards, there are the debates about the Tânger expedition, the different ways of his representation, the production of his holy memory and, at last, there are the debates about the new problems in the Infante Santo’s studies.

Este artigo é um balanço historiográfico dos estudos sobre o Infante Santo. Foi dividido em cinco temas principais pesquisados pelos historiadores. No início, há o estudo sobre o culto público e sua ação política. Depois, há os debates sobre a expedição de Tânger, as diferentes formas da sua representação, a produção de sua memória de santidade e, por último, há os debates sobre os novos problemas no estudo do Infante Santo.

 

[TOPO] [INDICE] [IMPRIMIR VERSÃO PDF] [COMENTAR ARTIGO]