logotipo medievalista

 
   
 
Número 12 |Julho - Dezembro 2012 ISSN 1646-740X en
 

IEM


TODOS OS NÚMEROS /
PREVIOUS ISSUES


EDIÇÃO / EDITORS

CONSELHO EDITORIAL / ADVISORY BOARD

ARBITRAGEM CIENTÍFICA 2011 / PEER REVIEWING 2011

WEB DESIGNER


CONTACTOS / CONTACTS

INSTRUÇÕES AUTORES /
AUTHOR’S INSTRUCTIONS


REVISTAS INTERNACIONAIS / RELATED PUBLICATIONS

CALL FOR PAPERS


A Revista Medievalista encontra-se incluída no Directório e no Enlace do LATINDEX

ISSN 1646-740X

logo FCSH

A Revista Medievalista é um Projecto desenvolvido com o apoio da

fct


 

 

 

 

Resumos / Abstracts

    imprimir mail indice
 
Margarida Garcez Ventura
As «Leis Jacobinas». Estudo e transcrição [VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
 
As in another realms of Christianity, also the portuguese king, using both the theological reasons as the roman law, considered his right and duty to exercise jurisdiction over many cases that the clergy had as exclusively theirs. Here is a brief comment on the so called "Leis Jacobinas" (Nov. 1418-Dec. 1419), simultaneously trigger and witness of the controversy between the Church and the royal power in the late Middle Age. We also publish a new reading on one of the transcriptions of these laws.
Keywords: Secular power, Church-State Relations; Ecclesiastical freedoms; roman law; Bartolo of Sassoferrato.
Como noutros reinos da cristandade, também o rei português, recorrendo tanto à fundamentação teológica como ao direito romano, considerava ser seu direito e dever exercer jurisdição sobre muitos casos que o clero tinha como exclusivamente seus. Apresentamos um breve comentário às chamadas "Leis Jacobinas" (Nov. 1418-Dez. 1419), simultaneamente testemunho e acelerador da polémica entre o poder régio e a Igreja nos finais da Idade Média. Publicamos também uma releitura de um dos treslados das "Leis Jacobinas".
Palavras-chave: Poder secular, relações Igreja-Estado, iberdades eclesiásticas, direito romano, Bártolo de Sassoferrato.
florao cinz   topo home
  Begoña Farré Torras
Do apóstolo ao peregrino: a iconografia de São Tiago na escultura devocional medieval em Portugal [VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
 
The purpose of this article is to explore the evolving iconography of Saint James the Greater, as a pilgrim, in medieval votive sculpture in Portugal. The first part of the text focuses on the origins of this figuration in an Iberian context, taking into account two lines of influence: the iconography of Christ himself as a pilgrim, and popular imagery. The study then proceeds to the serial analysis of a corpus of devotional images in order to trace their evolution in Portugal between the 14th and the 16th centuries, and concludes by reflecting on the symbolic values implicit in this kind of figuration.
Keywords: Saint James, pilgrim, iconography, scallop, hospitality, devotional image.

Neste artigo explorar-se-á a evolução da iconografia de São Tiago o Maior, enquanto peregrino, no contexto da escultura devocional medieval em Portugal. Numa primeira parte investigam-se as origens desta figuração no âmbito ibérico, tendo em conta a dupla influência da iconografia de Cristo, igualmente peregrino, e da imaginária popular. A seguir procede-se a uma análise serial de um corpus de imagens devocionais que permitem traçar a sua evolução em Portugal entre os séculos XIV e XVI, e conclui-se com uma apreciação dos valores simbólicos implícitos nestas figurações.
Palavras-chave: São Tiago, peregrino, iconografia, vieira, hospitalidade, imagem devocional.
florao cinz   topo home
 
Edileide Brito
O Desvelamento do Mito Arturiano
[VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
Attempt for King Arthur’s identity it is something irrelevant and and what it sends to us to enter in a complex universe. To rigour, the literature uses mythological materials like straight source of events and historical characters, in which the history is deformed by popular imagination, where it draws on the myth a profile like concretization of a Utopia, the fact of literary work to be a sort of concrete Utopia keeps alive the hope and the ideal. The literature affects us through the capacity to construct people, a world rises up around the limits of the reason and empirical description. Nevertheless, the myth is dynamic, it is transformed by the time whilst accompanying the spirit of time and the elements that do it a self-knowledge source are configurated in metaphor, depicting the essence of being. So, the mythical King Arthur became timeless and transcended the history. Consequently, the literature does that King Arthur does so that the King Arthur is not a King bequeathed to the past, but a king of the present, because so the measure that rescues the past of a literary work to understand it in the present, unconsciously is resurrected.
Keywords: King Arthur, Mith, Literature, Aura, Allegory
.
Atentar uma identidade para o Rei Arthur é algo irrelevante e que nos remete adentrar em um universo complexo. A rigor, a literatura usa materiais mitológicos como fonte direta de eventos e personagens históricos, na qual a história é deformada pela imaginação popular, onde traça sobre o mito um perfil, como concretização de uma utopia, o fato da obra literária ser uma utopia concreta mantém viva a esperança e o ideal. A literatura nos afeta através da capacidade de construir pessoas, um mundo cresce diante de seus limites da razão e descrição empírica. Contudo, o mito é dinâmico, se transforma com o tempo ao acompanhar o espírito de uma época, e os elementos que fazem dele uma fonte de auto-conhecimento configura-se em metáfora, retratando a essência do homem. Assim, o mítico Rei Arthur tornou-se atemporal e transcendeu a história. Conseqüentemente, a literatura faz com que o Rei Arthur não seja um rei legado ao passado, mas sim do presente, pois à medida que se resgata o passado de uma obra literária para compreendê-la no presente, inconscientemente ressuscita-se.
Palavras-chave: Rei Arthur, Mito, Literatura, Aura, Alegoria.
 
florao cinz   topo home
  Filipe Alves Moreira
A BITAGAP e o estudo da historiografia medieval portuguesa (a propósito da nova versão desta base de dados)
[VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
This article reflects on the importance of BITAGAP for the study of Portuguese medieval historiography. It also includes some considerations on recent works in this field.
Keywords:
PHILOBIBLON; BITAGAP; Portuguese medieval historiography.
Reflexão sobre a importância da BITAGAP para o estudo da historiografia portuguesa medieval, incluindo algumas considerações sobre trabalhos recentes nesta área.
Palavras-chave: PHILOBIBLON; BITAGAP; Historiografia portuguesa medieval.
 
florao cinz   topo home
  Maria do Carmo Ribeiro; Arnaldo Sousa Melo
A materialização dos poderes no espaço como expressão da memória e identidade urbana medieval [VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
  This paper aims to be a contribution to the study of medieval city's memory and identity, through the materialization of power in the urban space. In order to accomplish that goal we have structured this paper in three parts. We started with some preliminary considerations on the concepts of memory and urban identity, to situate this subject within a broader sociological and anthropological context. Secondly, we present some forms of materialization of power in urban areas, namely those that derive from royal, episcopal, lordly and municipal powers. Finally, we studied how those buildings and urban spaces constitute a part of urban memory and identity, in particular the cathedral, the walls and castles, palaces and city planning. This paper is focused mainly on the medieval Portuguese cities of Braga and Porto, although occasionally with insights in some other towns. The methodology used was based on the intersection of the different sources, particularly written, but also iconographic and cartographic ones, as well as material remains still existing today.
Keywords: Powers, Memory, Identity, Urban; Medieval
  Este artigo constitui um contributo para o estudo da memória e identidade da cidade medieval através da materialização dos poderes no espaço urbano. Para dar cumprimento aos objetivos a que nos propomos, estruturámos este trabalho em três partes. Na primeira fazemos algumas considerações prévias sobre os conceitos de memória e identidade urbana com vista a situar a temática em apreço num contexto sociológico e antropológico mais amplo. Posteriormente, abordamos algumas formas de materialização dos poderes no espaço urbano, designadamente os lugares que resultaram da atuação dessas entidades, tais como os classificados de régio, episcopal, senhorial e concelhio. Por fim, analisamos de que forma as construções e espaços urbanos se traduzem em memória e identidade, nomeadamente a sé catedral, as muralhas e os castelos, os paços ou o ordenamento urbano. O nosso estudo incidirá preferencialmente sobre as cidades medievais portugueses de Braga e do Porto, muito embora pontualmente sejam utilizados outros casos de estudo concretos. A metodologia utilizada baseou-se no cruzamento das diferentes fontes disponíveis, com particular preponderância para as fontes escritas, mas também iconográficas e cartográficas e, sempre que possível, procurou valorizar os vestígios materiais sobreviventes e que integram as cidades atuais.
Palavras-chave: Poderes, Memória; Identidade; Urbana; Medieval.
florao cinz   topo home
 
Ana Margarida Chora
Os cavaleiros do Graal e o anti-heroísmo hagiográfico
[VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
 

Medieval Arthurian heroes who, in the Vulgate and Post-Vulgate texts, are destined to the Grail adventure (Lancelot, Boorz, Perceval and Galaad) follow a very similar pathway to those of saints narratives of the same period, which goes through predestination and change of behaviour, from a certain moment, taking them to spiritual life. But if, on the one hand, their heroic characteristics determine the specificity of their ascetic evolution; on the other, hagiographic pathways in medieval narratives have forms that touch anti-heroism.
Keywords: hero, saint, hagiography, Matter of Britain, heroic scheme.

 

Os heróis medievais arturianos que, nos textos da Vulgata e Post-Vulgata, estão destinados à aventura do Graal (Lancelot, Boorz, Persival e Galaaz) seguem um percurso que em muito se assemelha aos dos santos das narrativas da mesma época, passando pela predestinação e mudança de conduta, a partir de um determinado momento, o que os conduz à vida espiritual. Mas se, por um lado, as suas características heróicas determinam a especificidade da sua evolução ascética, por outro lado os percursos hagiográficos das narrativas medievais assumem contornos que tocam o anti-heroísmo.
Palavras-chave: herói, santo, hagiografia, Matéria da Bretanha, esquema heróico

florao cinz   topo home