logotipo medievalista

 
   
 
Número 11 |Janeiro - Junho 2012 ISSN 1646-740X en
 

IEM


TODOS OS NÚMEROS /
PREVIOUS ISSUES


EDIÇÃO / EDITORS

CONSELHO EDITORIAL / ADVISORY BOARD

ARBITRAGEM CIENTÍFICA 2011 / PEER REVIEWING 2011

WEB DESIGNER


CONTACTOS / CONTACTS

INSTRUÇÕES AUTORES /
AUTHOR’S INSTRUCTIONS


REVISTAS INTERNACIONAIS / RELATED PUBLICATIONS

CALL FOR PAPERS


A Revista Medievalista encontra-se incluída no Directório e no Enlace do LATINDEX

ISSN 1646-740X

logo FCSH

A Revista Medievalista é um Projecto desenvolvido com o apoio da

fct


 

 

 

 

Resumos / Abstracts

    imprimir mail indice
 
Maria do Rosário Barbosa Morujão
A sigilografia portuguesa em tempos de Afonso Henriques. [VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
 
This article aims at studying the beginnings of the Portuguese sigillography, which coincide with the government of Afonso Henriques. It synthesizes the knowledge that the current state of research allows about the early use of the seal in Portugal as a form of validating documents from episcopal, monastic and royal chanceries. A special importance is given to the royal seals, exploring a possible explanation for the eminently heraldic character that always marked the royal Portuguese sigillography, pointing to the importance as a warrior of Afonso Henriques, symbolized by his shield of arms, as a factor that gave legitimacy to his kingship and the independence of Portugal. His heraldry became itself the symbol of the new king and of the dynasty he gave birth to, thus remaining in all the Portuguese monarchs seals.
Keywords: Afonso Henriques, sigillography, royal seals, episcopal seals, monastic seals, royal shields of arms.
Este artigo propõe-se estudar os primórdios da sigilografia portuguesa, coincidentes com o governo de D. Afonso Henriques. Nele se sintetiza o conhecimento que o actual estado da investigação nos permite ter a respeito do início do uso do selo em Portugal como forma de validação documental em chancelarias episcopais, monásticas e régia. É dada uma importância especial aos selos reais, propondo uma possível explicação para o carácter eminentemente heráldico que marcou desde sempre a sigilografia régia portuguesa, evidenciando a importância como guerreiro de D. Afonso Henriques, simbolizada no seu escudo, como um factor que deu legitimidade à sua condição régia e à independência de Portugal. As suas armas tornaram-se, elas próprias, o símbolo do novo rei e da dinastia a que ele deu origem, assim permanecendo presentes em todos os selos dos monarcas portugueses.
Palavras-chave: Afonso Henriques, sigilografia, selos régios, selos episcopais selos monásticos armas régias..
 
 
florao cinz   topo home
  Eduardo Escartín González; Francisco Velasco Morente; Luis González-Abril
Impuestos moderados, según Ibn Jaldún [VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
 
Ibn Khaldun was an early exponent (XIV century) of the economic liberalism and he had a materialistic conception of history; hence he refers to the institutions in the area of economy and presents his economic thought, which we make it known by employing the methodological absolutism and extracting it directly from his Muqaddimah. We relate some of his ideas with other similar exposed in different periods, and we emphasize those that are still useful today. From his considerations we highlight economic development, currency circulation, wealth, free trade, and price. Ibn Khaldun is taking on higher relevance for the reason that his considerations still seem to describe current situations and his proposals could be implemented today to overcome the economic crisis, even though he did not mention technological innovations that were unthinkable at his time.
Keywords:Middle Ages, Islam, Economic Thought, Liberalism, Materialism.

Ibn Jaldún foi um dos primeiros expoentes (século XIV) do liberalismo económico que teve uma concepção materialista da história. Assim se explica que mencione instituições do âmbito da economia e exponha o seu pensamento económico, que aqui mostrámos extraindo-o directamente do seu Muqaddimah e usando o método absolutista. Relacionámos algumas das suas ideias com outras similares doutras épocas e ressaltámos as que, ainda hoje, nos parecem úteis. Das suas considerações destacámos o desenvolvimento económico; a circulação monetária; a riqueza; a liberdade de comércio; e o preço. Ibn Jaldún readquire actualidade porque as suas considerações parecem descrever situações ainda vigentes no presente. Algumas destas propostas poderiam aplicar-se hoje para superar as crises económicas; mesmo não mencionando inovações tecnológicas, naturalmente inconcebíveis na sua época.
Palavras-chave: Idade Média, Islão, Pensamento económico, Liberalismo, Materialismo.
 
 
florao cinz   topo home
 
Joana Sequeira e Arnaldo Sousa Melo
A mulher na produção têxtil portuguesa tardo-medieval
[VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
Through the analysis of generic and individual references on the occupation of women in the textile sector, this article will look to define the role of women at each stage of production (fiber preparation, spinning, weaving, finishing processes, manufacture of clothing and trade/organization of production).
Keywords: Woman, textile, labour, production, linen
.
A partir da análise de referências gerais e individuais às ocupações femininas no sector têxtil, procura-se definir o papel da mulher em cada uma das fases de produção (preparação da fibra, fiação, tecelagem, acabamentos, confecção de vestuário e comércio/organização da produção).
Palavras-chave: Mulher, têxtil, trabalho, produção, linho.
 
florao cinz   topo home
 
Anísio Miguel de Sousa Saraiva
Metamorfoses da cidade medieval. A coexistência entre a comunidade judaica e a catedral de Viseu
[VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
Viseu’s status as political, ecclesiastical and commercial centre acted as a factor of development and attraction of merchants and Jews. The first testimonies of the Hebraic presence in this city are from the late 13th century, whose commune prospered mainly from the early 15th century, at the time when Viseu  initiated a major process of rebuilt, after three decades of conflict and destruction which characterized the Ferdinand Reign and the first years of D. João I’s government.
In this paper we will approach the multi confessional profile of medieval Viseu and the jewish contribution to the construction of its urban and social space, in the period prior to the hebraic expulsion, in 1496. We will analyze the outline of this coexistence and collaboration process, though not always peaceful, between jews and the cathedral. The latter, as owner of the vast majority of the urban property of the city, rolled as an important liaison between christians and the jewish minority and played a strong influence in their mechanisms of spatial organization. From certain issues analyzed in this extent, we will stand out the delocalization of the Jewish District mostly due to the consequences of the relations of power and of the defense of Jewish and Christian’s interests in the context of the reorganization of the 15th’s urban network of Viseu.

Keywords: Urban history, Viseu, Jews, Cathedral, Middle Ages
.
O estatuto de Viseu como centro político, eclesiástico e comercial, actuou como factor de desenvolvimento e fixação de mercadores e judeus. Datam dos finais de Duzentos os primeiros testemunhos da presença hebraica nesta cidade, cuja comuna prosperou sobretudo a partir dos inícios de Quatrocentos, no momento em que Viseu deu início a um intenso processo de reconstrução, após três décadas de conflito e destruição que marcaram todo o reinado fernandino e os primeiros anos da governação de D. João I. Neste artigo abordamos o perfil multi-confessional de Viseu medieval e o contributo judaico na construção do espaço urbano e social da cidade, no período anterior à expulsão dos hebreus, em 1496. Analisamos os contornos deste processo de coexistência e de colaboração, por vezes pouco pacífica, entre os judeus e a catedral. Esta, como detentora de grande parte da propriedade urbana da cidade, funcionou como importante interlocutor no relacionamento dos cristãos com a minoria judia e exerceu uma forte influência nos seus mecanismos de organização espacial. Entre algumas questões analisadas neste âmbito, destacamos a deslocalização do bairro judaico, em grande medida como consequência das relações de poder e da defesa dos interesses de judeus e cristãos no contexto da reorganização da malha urbana quatrocentista de Viseu.
Palavras-chave: História Urbana, Viseu, Judeus, Catedral, Idade Média.
 
florao cinz   topo home
  Marco Liberato
Novos dados sobre a paisagem urbana da Santarém medieval (séculos V-XII): a necrópole visigoda e islâmica de Alporão [VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
  Crossing the data collected during a archaeological intervention in the numbers 5 to 8, Rua Cinco de Outubro,  in Santarém with some written sources, we present a proposal around the medieval urban landscape of the city during the centuries prior to their integration in the christian orbit and in the moments immediately following to the conquest of 1147. In this preliminary approach we intend to enable  the relevance of using the increasing volume of information from the archaeological activity as a fundamental source to clarify some doubts and test current and new  hypotheses related with the evolution of the cadastre in the medieval city.
Keywords: Archaeology, Urban landscape, Visigoth necropolis, Santarém, Midlle Ages.
  A partir da análise cruzada dos dados recolhidos durante uma intervenção arqueológica na Rua 5 de Outubro nºs 5-8 com algumas fontes documentais, ensaiamos uma proposta em torno da paisagem urbana da Santarém medieval, nos séculos anteriores à sua integração definitiva na órbita cristã e nos momentos imediatamente subsequentes. Nesta abordagem preliminar pretendemos salientar a pertinência da utilização do crescente volume de informações provenientes da actividade arqueológica, uma fonte fundamental para esclarecer algumas dúvidas actuais e ensaiar novas hipóteses de trabalho sobre a evolução da malha urbana desta cidade.
Palavras-chave: Arqueologia, Paisagem urbana, Necrópole visigoda, Santarém, Idade Média.
florao cinz   topo home
 
Johnni Langer
A morte de Odin? As representações do Ragnarök na arte das Ilhas Britânicas (séc. X)
[VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
 

Our study aims to reflect on the images of Ragnarök in the British area during the late Middle Ages. The main sources are images carved in crosses, funerary sculptures and reliefs in blocks. As the main methodology, we analyze the representations in comparison with the Icelandic literary sources and the images available in the Scandinavian area during the Viking Age, especially on the island of Gotland (continuities, ruptures, variations and reappropriations of Nordic visual culture). For theoretical framework, we employ the ideas of Régis Boyer, Margaret Clunie Ross, Hilda Davidson and John Mckinell, concerning the Norse myths. Jérôme Baschet and Jean-Claude Schmitt will be used as a reference for analysis of images in the Medieval Period and Herne Fuglesang for interpretation of Nordic images.
Keywords: Ragnarök, Norse Mythology, Anglo-Scandinavian Art, Vikings, Odin.

 

Nosso estudo pretende refletir sobre as representações imagéticas do Ragnarök na área britânica durante o final da Alta Idade Média. As principais fontes são imagens esculpidas em cruzes, esculturas tumulares e relevos em blocos. Como principal metodologia, analisaremos as representações em confronto com as fontes literárias islandesas e as imagens disponíveis na área escandinava durante o período viking, especialmente na ilha de Gotland (permanências, rupturas, variações e reapropriações da cultura visual nórdica). Para referencial teórico, empregamos as idéias de Régis Boyer, Margaret Clunie Ross, Hilda Davidson e John Mckinell, no tocante aos mitos nórdicos. Jérôme Baschet e Jean-Claude Schmitt serão empregados como referencial para análise das imagens no medievo, e Herne Fuglesang para interpretação de imagens nórdicas.
Palavras-chave: Ragnarök, Mitologia Escandinava, Arte Anglo-escandinava, Vikings, Odin.

florao cinz   topo home
 
Inês Correia
A imagem como instrumento de identidade - A figuração de São Jerónimo no manuscrito Bíblico ANTT, Lorvão 45
[VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
 

Our discussion focuses on the image of the 'Scribe' that fills the first initial of a 13th century Bible, Ms. ANTT, Lorvão 45. It reflects an exercise of analysis based on Panofsky's method, but complemented by the vision of image as a possible result of multiple meaning, applied by Jean Wirth as hybrid iconography.
Several 'Scribe' images, from Bibles of the same period, are compared with earlier ones, in order to achieve a deliberate iconographic system, which relates the Scribe (as scriptor) with Jerome (Doctor of the Church).
Keywords: Medieval manuscript; Iconography; Scribe; Saint Jerome; Bible.

 

A nossa reflexão incide sobre a imagem do ‘Monge escriba’ que preenche a primeira inicial do manuscrito Bíblico, ANTT, Lorvão 45, traduzindo um exercício de análise apoiado no método panofskyano de herança aristotélica, nos conceitos menos estratificados de imagem de Jérôme Baschet e na perspectiva da imagem como possível resultado de um sentido múltiplo ponderado, ensaiado por Jean Wirth.
Várias imagens do 'Monge-escriba', de Bíblias do mesmo período, são comparadas com outras de períodos anteriores, no sentido caracterizar o sistema de padrão que relaciona a imagem do Escriba (como scriptor) com a figuração de Jerónimo (Doutor da Igreja).
Palavras-chave: Manuscrito medieval; Iconografia; Escriba; São Jerónimo; Bíblia.

florao cinz   topo home
 
Inês Afonso Lopes
O papel do sujeito face à imagem. Interpretações estruturo-fenomenológicas: o estudo de caso das Pinturas murais de São Francisco de Bragança
[VER TEXTO INTEGRAL/FULL TEX]
 

The historiography and its role concerning the art and images, throughout the last decades are adopting as the main way of investigation the so called historical anthropology,  as heritage of  the works from writers like Marc Bloch, Fernand Braudel e Jacques Le Goff.  Notwithstanding, that historic anthropology has been targeted from several criticisms, owing the fact that often it is only focused on the structural anthropology rather than watching the role of its agents/actors. Upon the axis of convergence of such analytical dimensions (structure and phenomenology), the new guiding lines of historical anthropology, start to find a balance, which allows the development of a greater epistemological richness.
From the use of the case of study of the murals of S. Francisco de Bragança Convent, we intend to explore not only the role that the historical circumstances played on its achievement, but also how the involved people possibly understood the same.
Therefore, using that example, we intend to demonstrate that material artwork only find its meaning when we also look after the people actually involved, who really had interacted with it.

Keywords: Wall-painting, S. Francisco de Bragança, Image Anthropology, Devotion, Middle Ages.

 

A historiografia, e consequentemente a historiografia da arte e das imagens, têm vindo, nas últimas décadas, a adoptar como corrente de investigação principal a designada antropologia histórica, herdeira dos trabalhos de autores como Marc Bloch, Fernand Braudel e Jacques Le Goff. No entanto, essa antropologia histórica tem sido alvo de várias críticas por seguir, muitas vezes, apenas a vertente associada à antropologia estruturalista fazendo desvanecer o papel dos agentes/actores. É na convergência destas dimensões de análise (estrutura e fenomenologia) que as novas correntes da antropologia histórica começam a encontrar um equilíbrio que permite um maior fortalecimento epistemológico.
A partir do caso de estudo das pinturas murais de São Francisco de Bragança pretendemos explorar não só o papel que a conjuntura histórica teve na sua realização, assim como a possível percepção que os sujeitos tiveram face às mesmas. Procuramos, desta forma, demonstrar que as obras de cultura material só se revestem de significado se tivermos em conta os sujeitos que com elas interagem.
Palavras-chave: Pintura Mural,  S. Francisco de Bragança, Antropologia da Imagem, Devoção, Idade Média.

florao cinz   topo home