Acções do Documento

Arte da Performance e Conservação

Início: 8 de julho

Datas: 8 a 12 de julho | dias úteis das 10h00 às 16h00

Sala 604 | Torre B | Piso 6

Docentes Responsáveis: Cláudia Madeira e Hélia Marçal

Áreas: História da Arte e Estudos Artísticos

Creditação para professores do Ensino Básico e Secundário

Formação geral e adequada (dimensão científica e pedagógica):

Professores dos Grupos 200, 240, 250, 260, 400, 600, 610, 620, D07 e D09

 

Objetivos

Neste curso pretende-se discutir a relação da arte da performance e a sua conservação tanto no espaço público como em instituições museológicas. Este curso poderá complementar temáticas desenvolvidas nos Mestrados de Artes Cénicas e Mestrado, de Comunicação e Artes, de Estudos Artísticos, de História de Arte, de Antropologia, de Museologia, entre outros mestrados na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Entre os temas a desenvolver encontram-se as ontologias da arte da performance e a sua relação com documentação, políticas da preservação, teorias da conservação, a institucionalização da arte da performance, e aplicação de estratégias de conservação a obras de performance.

 

Programa

O programa deste curso consiste em 5 sessões.

Sessão 1

Arte da Performance: ontologias, definições e ambiguidades. Esta sessão irá focar-se nas ontologias da performance e numa reflexão sobre os possíveis futuros das obras de arte performativas ou em performance. Questões sobre a representação da performance, a sua mediação, ou aspetos da sua(i)materialidade serão centrais nesta discussão, que será acompanhada de exemplos práticos e facilitada por literatura relevante,que será disponibilizada para leitura no local.

Sessão 2

Performance, memória e arquivo. Esta sessão incidirá sobre as epistemologias da investigação em preservação da arte da performance e a ética do processo de preservação. Uma análise da arte da performance como objeto de conservação será seguida de uma exploração sobre investigações na área dos Estudos Críticos do Património, Estudos da Performance, e Conservação, que permitirá uma discussão sobre o que preservar, os modos de conservar ação, o papel da memória e do arquivo.

Sessão 3

A arte da performance, a conservação e o museu. Esta sessão será dedicada a refletir sobre teorias e práticas da conservação de arte contemporânea e as formas como atravessam políticas e modos de fazer o museu na sua relação com a performance. A primeira parte desta sessão irá focar-se numa breve história do pensamento da Conservação dos anos 80 até à contemporaneidade. A segunda parte incidirá sobre as práticas de aquisição de arte da performance por museus e outras instituições de arte, desde a fotografia e filme ao video digital e, mais recentemente, performance. Os papéis dos agentes envolvidos - desde curadores e conservadores, a públicos - serão pensados a partir de explorações téoricas com exemplos práticos.

Sessão 4

Conservação da arte da performance: desafios, estratégias e possibilidades.Esta sessão irá focar-se nos desafios à preservação da arte da performance e nas estratégias de conservação que foram,entretanto, pensadas e implementadas tanto em museus e outras instituições como no espaço público por estudos independentes. Esta exploração será acompanhada por casos de estudo e por exercícios práticos. Os exercícios práticos serão essenciais para entender as possibilidades e limitações das ferramentas disponíveis.

Sessão 5

Arte da Performance em Portugal.A última sessão deste curso irá focar-se nas obras de arte da performance criadas no contexto português, a sua história, e a sua preservação. Duas obras de arte da performance criadas por artistas portugueses serão alvo de uma discussão aprofundada com vista a promover uma discussão sobre os limites da preservação destas obras.

NOTA: A ordem das sessões poderá ser alterada para conciliar conteúdos programáticos

Bibliografia

Phelan, P. (1993). Unmarked: the politics of performance. London: Routledge.

Laurenson, P. and V. van Saaze (2014). Collecting Performance-Based Art: New Challenges and Shifting Perspectives. InPerformativity in the Gallery: Staging Interactive Encounters, ed. by O. Remes et al, Oxford: Peter Lang, 27-41.

Giannachi, G. and J. Westerman (eds) (2018). Histories of Performance Documentation: Museum, Artistic, and ScholarlyPractices. New York: Routledge.

Wheeler, B. B. (2003). The institutionalization of an American avant-garde: performance art as democratic culture, 1970-2000,Sociological Perspectives, 46(4), 491-512.

Lepecki, A. (2016). Singularities: Dance in the Age of Performance, New York: Routeldge.

___________________________________

Cláudia Madeira (1972) - Professora Auxiliar e investigadora integrada no ICNOVA e colaboradora do IHA da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, sendo co-responsável nos dois centros pelo cluster Performance arte & performatividades nas artes. Colabora ainda no CET/FLUL como investigadora do Grupo de Investigação Teatro e Imagem e do projeto PERPHOTO - Dramaturgias do olhar. Cruzamentos entre fotografia e teatro no contexto português e internacional (PTDC/ART-PER/31693/2017). Realizou o pós-doutoramento intitulado Arte Social. Arte Performativa? (2009-2012) e o doutoramento em Sociologia sobre Hibridismo nas Artes Performativas em Portugal (2007) no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. É autora dos livros Híbrido. Do Mito ao Paradigma Invasor? (Mundos Sociais, 2010) e Novos Notáveis: Os Programadores Culturais (Celta, 2002). Escreveu vários artigos sobre novas formas de hibridismo e performatividade nas artes. Leciona na licenciatura e mestrados de Artes Cénicas e Comunicação e Artes do Departamento de Ciências da Comunicação na NOVA FCSH.

Hélia Marçal (n. 1988) é uma teórica e conservadora com mais de oito anos de experiência na salvaguarda e historicização da arte da performance e de obras de arte com elementos performativos. Tem trabalhado sobre teoria e ética da conservação, memórias e corpos-arquivo, assim como sobre políticas públicas de participação e gestão do património cultural. Foi-lhe recentemente atribuído um Doutoramento Europeu pela Universidade Nova de Lisboa (2018). O seu projeto doutoral focou-se nas formas e meios de práticas de conservação da arte da performance partindo de uma análise epistemológica sobre ontologias relacionais e intra-agenciais. Neste contexto, propôs uma abordagem reflexiva e ética da conservação como prática expandida, que considera políticas de participação como vetores de promoção de justiça social. Desde 2018 desenvolve investigação na Tate (Londres) no âmbito do projeto Reshaping the Collectible: When Artworks Live in the Museum, onde também trabalha no Departamento de Conservação de Time-Based Media. Publicou artigos e capítulos de livros em diversos locais e contextos, tendo também co-editado dois volumes e um número especial da Revista de História da Arte sobre a arte da performance em Portugal. Leciona ocasionalmente na Universidade Nova, e é, ainda, Coordenadora do Grupo de Trabalho de Teoria, História, e Ética do Comité da Conservação do ICOM (International Council of Museums).

Topo da Página