Acções do Documento

Workshop em desenho etnográfico

Início: 10 de julho

Datas: 10 a 14 de julho | segunda a sexta-feira

das 9h00 às 14h00 | Sala T15 - Torre B

Docente Responsável: Sónia Vespeira de Almeida

Docentes: Philip Cabau, Rita Cachado, Inês Belo Gomes

Áreas: Sociedade, Ambiente e Território

 

 

Creditação para professores do Ensino Básico e Secundário

Formação geral e adequada: Professores dos Grupos 200, 240, 400 e 600.

 

Objetivos

Na história dos métodos do pensamento etnográfico, o desenho foi ocupando um lugar sempre variável (Cabau, 2016). Se para certos autores, em certos períodos, este era indispensável para pensar e descrever realidades sócio-culturais muito diversas, já para outros o desenho foi, simplesmente, ignorado. Podemos até dizer que à medida que o tempo passou, a sua importância no trabalho de campo diminuiu – especialmente se comparado com outros métodos (inquéritos, entrevistas, histórias de família, biografias, etc.) e com outros meios de registo (como a fotografia, ou o filme).

Nos últimos anos, porém, a prática do desenho etnográfico reassumiu, para muitos antropólogos, um lugar de destaque (Afonso 2004). Este workshop enquadra-se neste regresso ao desenho e à sua prática, entendendo-o como uma ferramenta para observação do real, particularmente vocacionada às abordagens etnografias realizadas no espaço urbano (Kuschnir 2011).

Ao longo de uma semana o desenho estará no centro de um projeto de estudo de uma das dinâmicas que caracterizam o quotidiano de Lisboa: os mercados tradicionais de produtos frescos da cidade.

Os objetivos principais deste curso são:

  1. realizar exercícios de desenho etnográfico para analisar as dinâmicas na cidade de Lisboa.
  2. explorar as particularidades que o desenho pode trazer à perceção e ao trabalho etnográfico do antropólogo.

 

Programa

Este workshop consistirá numa introdução às práticas e aos usos experimental do desenho como ferramenta etnográfica, tanto numa perspetiva disciplinar como autoral, teórica como prática. O laboratório incidirá nos seguintes pontos:

1. Recolha e analise dados e imagens a partir da prática do desenho;

2. A experiência do desenhador e as funções do desenho na observação do mundo;

3. O espaço do objeto e o objeto no espaço: a agilidade do desenho;

4. A prática do esquisso e demais anotações gráficas na compreensão dos dados visuais.

 

Bibliografia

AFONSO, A. I., 2004. “New graphics for old stories. Representation of local memories through drawings” (com desenhos de Manuel João Ramos) in Pink, S., Afonso, A.I, László K. (eds.), Working Images, Visual Research and Representation in Ethnography, London, New York: Routledge. pp. 72-89.

CABAU, P.. 2016, “Crús e Descosidos. Reflexões em torno do desenho da antropologia” in Cadernos de Arte e Antropologia (Antropologia e Desenho), Vol. 5, N-º 2, Núcleo de Antropologia Visual da Universidade da Baia, pp. 21-36.

KUSCHNIR. K., 2011, “Drawing the City. A Proposal for an Ethnographic Study in Rio de Janeiro”, Vibrant, V.8  N.º.2, pp. 609-642.

LEAL, J., 2008, “Retratos do povo. Etnografia portuguesa e Imagem” in Pais, J. M., Carvalho, C., Gusmão, N. M. de, O Visual e o Quotidiano, Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais, pp. 117-133.

TAUSSIG, M., 2011. I Swear I Saw This: Drawings In Fieldwork Notebooks, Namely My Own. Chicago, University of Chicago Press.

 

___________________________________

Sónia Vespeira de Almeida é Antropóloga e Professora Auxiliar Convidada no Departamento de Antropologia da NOVA FCSH.  É investigadora integrada do CRIA, pólo NOVA FCSH - Centro em Rede de Investigação em Antropologia onde co-coordena com Nélia Dias o grupo de investigação “Práticas e Políticas da Cultura” e o Núcleo de Antropologia Visual e da Arte (com Catarina Alves Costa e Joana Miguel Almeida). Atualmente é Diretora-adjunta do Conselho de Redacção da revista Análise Social (Instituto de Ciências Sociais – Portugal) e Membro da Comissão Editorial da revista Cadernos de Arte e Antropologia (NVBA – Brasil). Doutorou-se no ISCTE-IUL (2008), tendo posteriormente desenvolvido um pós-doutoramento (bolsa FCT) no CRIA no âmbito da antropologia da arte.

 

Philip Cabau é autor de diversos livros – Design pelo Desenho (Ed.Lidel), O Dispositivo Desenho e O Desenho Apr(e)endido (ambos das Edições ESAD.cr) – tendo ainda editado e apresentado publicamente vários textos à volta do tema do desenho, nomeadamente sobre o seu ensino no contexto de área profissionais distintas. É arquiteto, doutorado e professor na Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha (IPL) e integra, desde 2000, a Direção do Ar.co (Centro de Arte e Comunicação Visual). Paralelamente ao percurso docente e ensaístico foi autor de diversos projetos de arquitetura, cenografia, desenho de exposições e mobiliário.

 

Rita Cachado é doutorada em Antropologia Urbana através programa internacional de doutoramento ISCTE/URV-Tarragona (2008), com uma pesquisa sobre as dinâmicas associadas à população Hindu de um bairro informal em processo de realojamento. Desenvolveu uma etnografia de longa duração com famílias Hindus residentes na Grande Lisboa, possibilitando a aquisição de um conjunto de competências metodológicas. Atualmente, é investigadora no CIES-IUL, onde desenvolve pesquisa de pós-doutoramento sobre Etnografia Urbana em Portugal; é professora auxiliar convidada nas cadeiras de Pesquisa de Terreno e de Etnografia Urbana (coordenadas pela Professora Graça Cordeiro), no ISCTE-IUL; e faz parte da atual direção da Associação Portuguesa de Antropologia.

 

Inês Belo Gomes é licenciada em Escultura (FBAUL) e em Antropologia (FCSH/NOVA). Mestre em Museologia e Museografia (FBAUL). Doutoranda no Programa de Excelência FCT – Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura e Museologia (FCSH/NOVA/ISCTE-IUL). Recentemente publicou um artigo sobre desenho e antropologia na revista Cadernos de Arte e Antropologia, intitulado “Deixei o desenho enterrado” ou como ressuscitar o grafismo enquanto metodologia antropológica: um caso prático”.

Topo da Página