GRUPOS DE INVESTIGAÇÃO













Teses 1985-2007

MAPA DO SITE | CONTACTOS |
OUTRAS LIGAÇÕES














 




 

 

ESTUDOS POLÍTICOS E INTERNACIONAIS

Investigadores:

Júlio Rodrigues da Silva
António Horta Fernandes
Cecília Cameira
Isabel Cluny
Fernando Ribeiro


Colaboradores:

Investigadores Seniores:


Carimo Mohomed
Fernando Martins (Univ. Évora)

Isabel Baltazar
Maria Manuela Tavares Ribeiro (FLUC)
Sérgio Campos Matos (FL-Univ. Lisboa)
Zília Osório de Castro (FCSH, UNL)

Investigadores em Formação:

Isabel David
Isabel Correia da Silva
Isabel Mariano Ribeiro
João Manuel Ricardo Catarino
José Santos
Pedro Faria
Susano Ferreira Costa

Bolseiros (BII 2008) :

Ana Guardião
Thierry Coelho

Bolseiros (BII 2009) :

Lígia Lélé
António
Marlon

 


- OBJECTIVOS

- INVESTIGAÇÃO EM CURSO

- RESULTADOS

- ACÇÕES

10 ANOS:
Seminários, Conferências, Colóquios,
Mesas Redondas (1987-2007)


- DOCUMENTOS



Lançamento de Os guardiões dos sonhos,
no Centro Nacional da Cultura, 9/7/2009,
estando a falar Guilherme de Oliveira Martins.

 
Lançamento Cultura 24,
com António M. Hespanha
2008, Janeiro (Palácio Fronteira)


OBJECTIVOS:

O grupo de investigação em Estudos Políticos e Internacionais, tem como objectivo o estudo das ideias políticas num horizonte diacrónico, estudando e avaliando em particular, o peso social das mesmas e a sua transformação em ideias dominantes relacionando-as com a legitimação que fornecem ao poder político, no plano nacional e internacional, dando origem a duas linhas de investigação de ciência política e relações internacionais. Atribui-se particular relevo a uma perspectiva dominante de História das Ideias cujas metodologias de trabalho são acompanhadas numa permanente avaliação crítica, numa configuração interdisciplinar e metodológica, com outros projectos em curso, no seio do Centro de História da Cultura.
Do ponto de vista da constituição das equipas de investigação, o projecto tem privilegiado a permanência de um núcleo central composto por investigadores membros do CHC e, por convite, a agregação de investigadores e colaboradores externos, consoante a temática particular das actividades especializadas desenvolvidas, o que visa, simultaneamente, promover as relações inter académicas. O estabelecimento de ligações científicas com outras instituições, nacionais e internacionais, para troca de conhecimentos é um dos objectivos do grupo. A organização de seminários, conferências, a mobilidade das equipes e o convite a investigadores seniores reflecte este propósito geral. O enriquecimento bibliográfico, pela seriação e selecção de obras a adquirir na área de Ideias Políticas em geral, e em Ciência Política, Relações Internacionais em particular, para o acervo em História das Ideias da Biblioteca Silva Dias do Centro de História da Cultura faz parte das tarefas do grupo. Os projectos específicos para o período (2007-2010) incluem a continuidade de um projecto de investigação de Relações Diplomáticas Internacionais e dois novos, particularmente centrados no estudo da cultura político.



INVESTIGAÇÃO EM CURSO

A investigação em curso, Tratados do Espaço Ibérico. Portugal e Espanha (1816-2006) dá continuidade a experiência precedente em projectos relacionados com Tratados Internacionais que Portugal subscreveu, e da qual resultaram já dois volumes. Investigamos agora as relações entre Portugal e Espanha que são, de certa maneira, um caso único no campo das relações internacionais. Os dois países partilharam uma longa história, velha de séculos, num espaço geopolítico relativamente restrito: a Península Ibérica. O presente projecto de investigação, em colaboração com o Instituto Diplomático, investiga as formas específicas de relacionamento das duas nações peninsulares desde o Congresso de Viena de 1815 até à inserção definitiva em 1986 na União Europeia. Nesta perspectiva, pareceu-nos prioritário valorizar os textos mais significativos do ponto de vista das relações internacionais: os tratados realizados entre os dois vizinhos ibéricos entre 1816 e 2006. A evolução da terminologia diplomática provocou ambiguidades na nomenclatura dos principais textos diplomáticos produzidos nesta época. Torna-se assim essencial examinar, nestes quase dois séculos que decorrem desde 1816, a transformação que se operou nos principais conceitos, no campo das relações internacionais e dos estudos jurídicos do direito internacional público. O estudo dos tratados que privilegiará abordagem histórica implicará conciliar a homogeneidade temática de cada período com o respectivo contexto histórico-político. Analisar as diferentes etapas deste processo vai-nos permitir ter uma compreensão aprofundada de um processo complexo de relacionamento entre os dois países.

Tendo preparado um projecto sobre o Pensamento Político Português (XIX-XX) este irá progredir segundo as tarefas já definidas. Na convicção de que o pensamento político português tem uma tradição própria estão a ser investigados os momentos de ruptura das estruturas de poder que deram origem a reflexões políticas criativas. A época contemporânea é rica no desenvolvimento de um pensamento político que sem cortar as suas ligações às doutrinas dominantes na Europa e na América é especificamente português, caracterizado por momentos de limitação a uma dimensão europeia passíveis de alternar com períodos de integração activa de áreas transatlânticas, africanas e asiáticas. Pese embora uma ampla historiografia parcelar sobre estes temas, o presente projecto de investigação visa reconstituir estas correntes de pensamento de uma forma inovadora. A pesquisa, entendida como condição prévia à elaboração final de um texto, será articulada com vista à estruturação de um dicionário do pensamento político português que procurará conciliar o contexto histórico-político com correntes de pensamento, e autores com vista à criação de uma obra colectiva de divulgação sobre o pensamento político português, inexistente em Portugal.

O grupo assume actualmente a investigação sobre a Europa. Será preparado um projecto sobre as Ideias de Europa em Portugal. A investigação deverá incidir no período entre 1916-1986. Esta última data resulta evidente da adesão de Portugal à Comunidade e a primeira justifica-se como marco da percepção de que o conflito em curso era uma forma nova e atípica de guerra. A metodologia usará a possibilidade aberta pela indexação temática realizada no âmbito do Seminário livre de história das ideias, das revistas do século XX.

Finalmente, os membros do grupo participarão nas actividades partilhadas da unidade de investigação nomeadamente contribuindo para o projecto central de história e historiografia de história das ideias com o objectivo de consolidar o grupo de investigação neste campo disciplinar de conhecimento.


RESULTADOS

Os principais resultados do último período de investigação considerado (2003-2007) são:
1. No âmbito dos Estudos Políticos a promoção de uma conferência internacional sobre os métodos e as práticas de estudo da Ciência Política; um número especial da Cultura, sobre Ciência Política (XVI-XVII), que permitiu averiguar o estado da investigação em Portugal e recensear os centros de investigação e os projectos em curso. Um segundo número (XXII) sobre Ideias políticas foi preparado simultaneamente com a preparação do projecto do Pensamento Político Português. Um número especial sobre a Cultura Intelectual das Elites Coloniais foi apresentado no princípio das comemorações dos 25 anos de investigação do CHC (veja acções).
2. No tocante às Relações Internacionais, foi possível publicar os textos da conferência sobre Diplomatas e Diplomacia. Retratos, cerimónias e práticas (Lisboa, Livros Horizonte, 2004) e com a colaboração com a Associação dos Amigos do Arquivo Histórico Diplomático foi organizada uma conferência para apresentar e debater o tema (veja documentos). O projecto de investigação. Portugal no Mundo. Tratados (2ª fase), em particular entre Portugal e o Brasil (1825-2000) que envolveu comentários, contextualização e anotação dos textos foi concluído e publicado (2006) disponibilizando-se on line a obra (veja documentos).
3. Relativamente aos assuntos Europeus, um número dedicado às Ideias de Europa, envolveu os membros do grupo despoletando o interesse por um projecto que está em preparação.

Em resumo, a publicação de dois livros colectivos, quatro números da Revista Cultura, a organização de conferências, dinamizaram a equipe de investigação que publicou 53 artigos, em revistas nacionais e internacionais, apresentou 46 comunicações em conferências e seminários em todo o espaço nacional e em países como Angola, Brasil, Marrocos e Itália. No tocante à concretização de graus académicos, 4 doutoramentos e 6 mestrados foram concluídos, sem contar com os estudantes pós-graduados em Estudos Europeus. Um bolseiro italiano está em fase de apresentação da sua tese de doutoramento, em Siena, Itália, após ter completado a sua investigação no CHC.

Finalmente, saliente-se que durante este período foram assinados dois protocolos, um com o Instituto Diplomático Português e outro com o Departamento de Estudos Políticos da FCSH-UNL. Contactos com o Instituto Camões, O CEIS XX- Coimbra, a Associação das Universidades de Língua Portuguesa e a fundação luso-espanhola para promover a cooperação no âmbito dos projectos em curso.

números da revista Cultura associados ao programa de trabalho deste grupo (1999-2007):

nº11, 1999, "Relações internacionais"
nº16/17, 2003 "Ciência Política"
nº19, 2004, "Ideias de Europa"
nº22, 2006, "Ideias políticas"
nº24, 2007, "Cultura intelectual das elites coloniais"


DOCUMENTOS 

Portugal e os caminhos do mar

Diplomatas e diplomacia

Tratados do Atlântico Sul

Manuela Tavares Ribeiro, Mazzini e...

Zília Osório de Castro, "Sob o signo da unidade. Regalismo vs. Jesuitismo"

Sérgio Campos Matos, Was Iberism a Nationalism,

Isabel Baltazar, Carta aberta aos europeus,

Júlio J. Rodrigues da Silva, José Estevão

Júlio J. Rodrigues da Silva, "Os Estados Unidos da América nas memórias do conde do Lavradio"

Júlio J. Rodrigues da Silva, "Cypriano Ribeiro Freire e a América federalista (1794-1799)


Júlio J. Rodrigues da Silva, A gerra da independência dos E.U.A. e os diplomatas portugueses. Luís Pinto de SousaCoutinho e os primórdios do conflito (1774-1776)

TOPO INÍCIO