GRUPO DE INVESTIGAÇÃO















Teses 1985-2007

MAPA DO SITE | CONTACTOS |
OUTRAS LIGAÇÕES


 




 

No tratamento analítico e integração do fundo da biblioteca do Instituto de Estudos Portugueses (IDEP) na Biblioteca Silva Dias (BSD) do Centro de História da Cultura (CHC) iniciado em 2010 completou-se até agora as secções de Cultura e Mentalidades, Direito e Política, Gerais e Dicionários, Economia e Sociedade, e História. Embora integrado na BSD e nas respetivas secções temáticas a proveniência do fundo terá sempre uma identificação ao nível da cota.
Apostando tal como o CHC na transversalidade disciplinar, o fundo bibliográfico do IDEP no que diz respeito a algumas obras de referência nesta linha apresenta várias coincidências com o fundo da Biblioteca Silva Dias, o que vai contribuir para facilitar a política de empréstimos.
Das obras já tratadas destacamos algumas que representam valor acrescentado para a BSD, quer pela sua importância individual, quer pelo facto de contribuírem para completar algumas coleções e temáticas. Ressalvamos ainda algumas obras, que apesar de incompletas, são importantes para os estudos nas áreas a que se referem pelo que o CHC terá interesse em adquirir os volumes em falta
.

 

 

 

 

 

 

 

Novidades na Biblioteca 

DPALM8/1-2 [mais informação]

ALMEIDA, António José, 1866-1929

Quarenta anos de vida literária e política / António José de Almeida ; introd. de Caetano Gonçalves e Joaquim de Carvalho. - Lisboa : J. Rodrigues & Cª, 1933. - 4 vol. : il. - Antologia. - Vol. I, 318 p. - Do "ultimatum" ao 31 de Janeiro ; A expatriação voluntária e o regresso de África ; A reconstituição do Partido Republicano ; A campanha eleitoral de 1906 ; A minoria republicana no parlamento. - Vol. II, 332 p. - Questões públicas nas legislaturas de 1906-7 e 1908 ; Liberdade de imprensa ; Descanso semanal ; Assistência pública ; Ensino primário e superior ; A génese e a reacção do regicídio ; A "Alma Nacional" em 1910

Partido Republicano / Alma Nacional--jornal republicano / Ultimato / Revoltas republicanas / Regicídio / Revolução social / Republicanismo / Democracia parlamentar / I República Portuguesa, 1910-1926

CDU 32

HBAR6/1-10[mais informação]

BARROS, Henrique da Gama, 1833-1925

História da administração pública em Portugal nos séculos XII a XV / Henrique da Gama Barros ; Introd. Torquato de Sousa Soares. - 2ª ed. - Lisboa : Sá da Costa, 1945-1950. - 11 v. - contém bibliografias. - T. I - Direito escrito e Direito tradicional, Administração central : T. 2 - Administração central : T. 3 - Administração central : T. 4 - Situação económica do país : T. 5 - Situação económica do país : T. 6 - Situação económica do país : T. 7 - Situação económica do país : T. 8 - Situação económica do país : T. 9 - Situação económica do país : t. 10 - Situação económica do país

História da administração pública / Direito / Legislação económica / Fontes documentais / Portugal / Séc. 12-15

CDU 9


RGOM2 [mais informação]

GOMES, Álvaro

Tratado da perfeição da alma / Álvaro Gomes ; introd. e notas de A. Moreira de Sá. - Coimbra, 1947. - 191 p : il. - (Acta Universitatis Conimbrigensis)

Tratado da perfeição da alma / Teologia / Imortalidade da alma / Moral cristã / Platonismo / Cabala / Filosofia cristã / Séc. 16

CDU 2
CDU 1

DPMIL4 [mais informação]

MILL, John Stuart, 1806-1873

Memórias / Stuart Mill ; trad. e pref. Flausino Torres. - Lisboa : Editorial Gleba. - 288 p. - ("Homo" Memórias e Biografias ; 3)

Autobiografia / Utilitarismo / Economia política / Liberalismo / Romantismo / Filosofia política / Democracia representativa / Acção política / Séc. 18-19

CDU 32

HNEV2/1-3 [mais informação]

EVES, José Acúrsio das, 1766-1834

Obras completas de José Acúrcio das Neves / José Acúrcio das Neves ; estudos introdutórios de António Almodôvar e Armando Castro. - Porto : Afrontamento. - 6 v. - V. 1 - História geral das invasões francesas em Portugal e da restauração deste reino, T. I e II : V. 2 - História geral das invasões francesas em Portugal e da restauração deste reino, T. III, IV e V : V. 3 - Variedades sobre objectos relativos às artes, comércio e manufacturas, considerados segundo os princípios da economia política, T. I e II

História das invasões francesas / Indústria e legislação / Crédito público / Economia política / Portugal / Séc. 19

CDU 9

DPCON28 [mais informação]

CONGRESSO INTERNACIONAL DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE ESTUDOS DO SÉC. XVIII, XI, Lisboa, 14 a 20 Novembro de 1994

Do Tratado de Tordesilhas 1492 ao Tratado de Madrid 1750 : comunicações apresentadas no XI Congresso Internacional / coord. e introd. Maria Helena Carvalho dos Santos. - Lisboa : Sociedade Portuguesa de Estudos do Séc. XVIII, 1997. - 469 p. ; il.

Igreja Católica / Tratado de Tordesilhas, 1494 / Tratado de Madrid, 1750 / Descobrimentos ibéricos / Ciência náutica / Direito natural / Diplomacia / Cultura e mentalidades / Relações Portugal-Espanha / 1494-1750 / Séc. 15-18

CDU 32

DPCON29/1-2 [mais informação]

CONGRESSO, Lisboa, 14, 15, e 16 de Outubro 1991

A vida da República Portuguesa,1890-1990 : congresso / coord. Maria Helena Carvalho dos Santos. - Lisboa : Comissão Organizadora do Congresso. - 2 vols. ; 830 p. - Vol. I - 1991, texto policopiado ; Vol. II - 1995

I República portuguesa, 1910-1926 / Ideário republicano / Constitucionalismo / Monarquia portuguesa / Republicanismo / Lei da separação do Estado das Igrejas / Anticlericalismo / Implantação da república, 5 de Outubro de 1910 / Republicanos / Revoltas republicanas / Mulher na I república / Reforma da educação / Colonialismo português / Primeira guerra mundial, 1914-1918 / Ideologia republicana

CDU 32

HJOR7 [mais informação]


JORNADAS DE HISTÓRIA IBERO-AMERICANA, 3ª, Portimão, 1997

O barroco e o mundo Ibero-Atlântico : terceiras jornadas de história Ibero-Americana / coord. Maria da Graça M. Ventura. - Lisboa : Colibri, 1998. - 234 p. - contém indice remissivo

Restauração, 1640 / Catalunha e os Bourbons--Séc. 18 / Barroco brasileiro / Arte e cultura / Relações culturais Portugal-Brasil / Teatro religioso / Barroco espanhol / Literatura barroca / Barroco português / Séc. 16-18 / Espanha / Brasil / Portugal

CDU 9

 

HJOR8 [mais informação]

JORNADAS DE HISTÓRIA IBERO-AMERICANA, 8ª, Portimão, 2002

As novidades do mundo : conhecimento e representação na época moderna : actas / Oitavas Jornadas de História Ibero-Americana. XI Reunião Internacional de História da Naútica e da Hidrografia / coord. Maria da Graça A. Mateus Ventura e Luís Jorge R. Semedo de Matos. - Lisboa : Colibri, 2003. - 389 p.

Expansão portuguesa / Cartografia / Ciência náutica / Conhecimento científico / Expansão espanhola/ Representações / Literatura de viagens / Humanismo / Descobrimentos portugueses / Séc. 15-17

CDU 9

HJOR9 [mais informação]


JORNADAS DE HISTÓRIA IBERO-AMERICANA, 2ª, Lisboa, 2 a 4 Maio 1996

A união ibérica e o mundo atlântico / Segundas Jornadas de História Ibero-Americana, Coord. de Maria da Graça M. Ventura. - Lisboa : Colibri, 1997. - 392 p.

Filipe II / União Ibérica / Colonização portuguesa / Cultura jurídica europeia / Restauração--1640 / Religião católica / Judeus ibéricos / Inquisição / Espanha / Portugal / Brasil / América Latina / 1580-1640 / Séc. 16-17

CDU 9

 

 

 

 

 

ALMEIDA, António José, 1866-1929, Quarenta anos de vida literária e política
Intelectual e político da 1ª República, deixou uma obra fundamental para o estudo cultural e político desse período, em que as famílias políticas e intelectuais se entrecruzavam em prole da coisa pública.

Vol. I, 318 p. - Do "ultimatum" ao 31 de Janeiro ; A expatriação voluntária e o regresso de África ; A reconstituição do Partido Republicano ; A campanha eleitoral de 1906 ; A minoria republicana no parlamento. - Vol. II, 332 p. - Questões públicas nas legislaturas de 1906-7 e 1908 ; Liberdade de imprensa ; Descanso semanal ; Assistência pública ; Ensino primário e superior ; A génese e a reacção do regicídio ; A "Alma Nacional" em 1910

TOPO

 


 

 

BARROS, Henrique da Gama, 1833-1925, História da administração pública em Portugal nos séculos XII a XV
Reedição em 11 volumes (1945-1954) de uma obra que continua a ser de consulta obrigatória para a história do direito e instituições, bem como importante contributo para a história económica e social, da Idade Média.

T. I - Direito escrito e Direito tradicional, Administração central : T. 2 - Administração central : T. 3 - Administração central : T. 4 - Situação económica do país : T. 5 - Situação económica do país : T. 6 - Situação económica do país : T. 7 - Situação económica do país : T. 8 - Situação económica do país : T. 9 - Situação económica do país : T. 10 - Situação económica do país


TOPO


 

 

GOMES, Álvaro, Tratado da perfeição da alma
Teólogo português do século XVI, lente nas Universidades de Coimbra, Salamanca e Paris produziu obra na linha tridentina de combate ao reformismo. Para além disso, o valor do seu trabalho, de que o Tratado (1550) é exemplo, reside no facto de revelar um pensamento estruturado, refletindo não um seguidismo mas uma concordância filosófica que advinha de uma elaboração individual genuína e credível. O Tratado divide-se em três partes: na primeira dedica-se à origem e natureza da alma; na segunda contrapõe aos que a negavam (Fédon, Platão), teses a favor da imortalidade da alma; na terceira parte, mais moralista e doutrinária trata das virtudes e prémio das almas.
Proémio p.3/ PARTE lNatureza e origem da alma/ CAP. I — Vantagens do conhecimento da alma ; sua natureza, segundo os antigos filósofos p.7/ CAP. II — No qual, segundo a verdadeira opinião, se declara que cousa é a alma p.11/ CAP. III — Em que maneira e em que tempo foram criadas as almas, segundo a opinião dos antigos filósofos p. 13/ CAP. IV — Que trata da criação da alma e se foi feita primeiro que o corpo p.19/ CAP. V — Que trata, segundo a opinião dos filó­sofos antigos, de que maneira as almas descem aos corpos; e por que parte é a sua descida p.23/  CAP. VI — No qual se põe a verdadeira determi­nação, em que tempo e em que maneira vem a alma ao corpo p.27/ CAP. VII — Serão todas as almas de uma mesma espécie ou se são umas melhores que outras p.31/ CAP. VIII — Que trata de que cousa a nossa alma é criada p.35/ CAP. IX — Em que parte do corpo a nossa alma está mais principalmente p.43/
CAP. X — Se alguma hora, nesta vida, nossa alma descansa p.49/ PARTE II — Da Imortalidade da alma/ CAP. I — No qual se põem a opinião dos que tiveram a alma ser mortal p.53/ CAP. II — No qual se prova a Imortalidade da alma por fortes razões p.59/ CAP. III — No qual, por autoridades, se prova a Imortalidade da alma p. 71/ CAP. IV — No qual se responde a todos os argu­mentos que são em contrário p.77/ PARTE III — Do prémio que as almas apartadas do corpo terão/ CAP. I — Que trata se na hora da morte se recebe alguma pena ou espanto p.83/ CAP. II — Da maneira que as almas, segundo opinião dos filósofos antigos, podem ir à glória p.93/ CAP. III — Do essencial prémio que as almas rece­bem e por que maneira p.105/CAP. IV — Da pena que as almas, pelo mal que fize­rem, receberão, segundo opinião dos filósofos antigos p.111/
CAP. V — Se as almas, estando na glória, têm alguma lembrança das coisas cá de baixo p.119/ CAP. VI — Se na glória, onde as almas estão, as que neste mundo foram mais sabedoras, também no outro o sejam assim p.125/ CAP. VII — Em que se declara por que razão, quando se aparta a alma do corpo, principal­mente de algum Rei ou Senhor, aparecem no céu sinais de fogo e outros sinais que denunciam grandes casos p.129/
CAPÍTULO VIII — Se podem nossas almas ser constrangi­das, por alguma maneira, de encantamento p.133/ CAP. Final e  Extravagante —Da vaidade deste
mundo e dos males e enganos que nele há sempre para que deles nos guardando. possamos nossa alma viver limpamente p.143

TOPO


 

 

MILL, John Stuart, 1806-1873, Memórias

Intelectual público e político marcou de forma indelével o pensamento cultural e político do século 19. Fazendo parte de várias genealogias de correntes pensamento político no século 20, continua a ser de leitura obrigatória para historiadores e politólogos atuais. À coleção das principais obras deste autor que a BSD já possui, junta-se agora a sua autobiografia onde nos é explicado que se tornara deputado porque verificara que a ação pública do intelectual pode ajudar a moldar o clima geral das ideias, mas só lenta e dificilmente consegue mudanças específicas na lei.

PREFÁCIO
p.7/ CAPITULO I, A minha infância; a minha primeira edu­cação p.17/
CAPÍTULO II, Influências morais que formaram o ambiente dos primeiros anos da minha juventude ; ca­rácter e opiniões de meu pai p.49/ CAPÍTULO III, Fim da minha educação paterna e inicio do período de auto-educação  p.71/ CAPÍTULO IV, O proselitismo da minha juventude; a West-minster Review p.93/ CAPÍTULO V, Uma crise nas minhas ideias; um pro­gresso p.133/ CAPÍTULO VI, Começo da mais preciosa amizade da minha vida; morte de meu pai; escritos e activi­dade até 1840 p.179/ CAPÍTULO VII, Breve exposição do resto da minha vida p.211


TOPO


 

NEVES, José Acúrsio das, 1766-1834, Obras completas de José Acúrcio das Neves

Editada em 6 volumes com estudos introdutórios de António Almodôvar e Armando de Castro, introduz-nos no pensamento político e económico do autor, que defendia contra o vintismo, que só o absolutismo munido das leis fundamentais de 1642, evitaria o despotismo. No campo económico revela-se um reformista e um precursor das modernas teorias económicas, propondo um estímulo à iniciativa e indústria privadas e um apoio estatal a todas as formas de aumento cultural e tecnológico da população nesse sentido.

V. 1 - História geral das invasões francesas em Portugal e da restauração deste reino, T. I e II : V. 2 - História geral das invasões francesas em Portugal e da restauração deste reino, T. III, IV e V : V. 3 - Variedades sobre objectos relativos às artes, comércio e manufacturas, considerados segundo os princípios da economia política, T. I e II.

TOPO

 

 

CONGRESSO INTERNACIONAL DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE ESTUDOS DO SÉC. XVIII, XI, Lisboa, 14 a 20 Novembro de 1994, Do Tratado de Tordesilhas 1492 ao Tratado de Madrid 1750

A história das relações ibéricas ao longo de mais de dois séculos a partir do domínio português e espanhol das rotas atlânticas e o início da colonização americana.

introdução
, Maria Helena Carvalho dos Santos,
Pres. da Sociedade Portuguesa de Estudos do Século XVIII.
Universidade Nova de Lisboa p.11/ ciência/ Desde quando se mediram alturas dos
astros, no mar?, Eng. Carlos Rogenmoser Lourenço p.39/ A Herança dos Descobrimentos - Da partilha geográfica à partilha científica, Fanny Andrée Xavier da Cunha p.49/ A intervenção diplomática portuguesa no arbítrio das relações políticas entre a Espanha e a Áustria do  século XVIII  (1744-1749), Maria Alcina Ribeiro Correia Afonso dos Santos p.111/ "Recebimentos" e "Entradas" no Teatro
Catequético do Padre José de Anchieta, Thereza B. Baumann p.121/ Contacto interétnico y relaciones de "frontera" en la area platense, Leonel Cabrera Pérez p.133/
O pensamento económico e as virtudes diplomáticas e políticas de Alexandre de
Gusmão, António Macieira Coelho p.135/ política, diplomacia e literatura
A Ilha e a Capitania de Santa Catarina nos contextos dos Tratados de 1492 a 1750, Walter F. Piazza p.67/ A Glorificação do Tratado de Madrid, forma original da brasilidade de "O Uraguay", Vânia Pinheiro Chaves p.79/ El Tratado de Madrid (1750) y Espana: una aproximacion periodística, Sara Nunez de Prado y Clavell p.95/ O Uruguai e o Tratado de Madrid: sob o signo do despotismo ilustrado, Paulo Roberto Dias Pereira p.103/ 1500-1750: Les dynamiques de la conquête. L’opposition Espagne Portugal en Amérique du Sud et les échecs de la France, Jean-Yves Mérian p.145/ O Brasil meridional e a ação política portuguesa no século XVIII: uma (re)leitura,
Eloisa Helena Capovilla da Luz Ramos p.159/ O Tratado de Direito Natural de Tomás António Gonzaga, Claude L. Hulet p.169/ Geografias Galantes: a nova consciência planetária no imaginário amoroso de fins do século XVII e inícios do século XVIII,
Anabela Galhardo Couto p. 189/ José Custódio de Só e Faria, o Tratado de
Madrid e a Guerra Guaranítica, Tau Golin p.197/ Los Payaguá entre Asuncíon e Cuibá: formácion y decadência de una frontera indígena (1719-1790), Chiara Vangelista p.207/
A Região Platina nos séculos XVII e XVIII: o espaço identificado, Heloísa Joichims Reichel p.221/ O Senado da Câmara do Rio de Janeiro  e  o  projecto  imperial Luso-Brasileiro, 1750-1820, Maria de Fátima Silva Gouvéa p. 229/ Nas margens da diplomacia do século XVI. A actividade dos judeus na índia portuguesa:
o exemplo de Isaac do Cairo, José Alberto Rodrigues da Silva Tavim p.239/ arquitectura e arqueologia/ Expressiones urbanísticas espanolas y portuguesas en Ia Banda Oriental en el marco del conflito de limites de los siglos XVII e XVIII, Carlos Altezor, Arquitecto p.255/ La arqueologia de los episódios coloniales
del Rio de la Plata, Leonel Cabrera,Carmen Curbelo, Nelsys Fusco, Elianne Martinez p.261/ De azul pintada de azul. La cerâmica de Colónia dei Sacramento, Nelsys Fusco p.271/ Influência mourisca na arquitectura portuguesa nos finais do séc. XV
A. Freitas Leal Arquitecto p. 277/ quotidianos e mentalidades/  Um mexicano na Inquisição de Lisboa: D. Luís Torres (1602-1605), Susana Mendes Brito p.283/ Iluminismo e Educação em Portugal: o legado do Século XVIII e XIX,Carlota Botto p.287/ Castela e os Castelhanos nos provérbios portugueses, Isabel Mendes Drumond Braga p.301/ Atribulações de um falsário português no Brasil colónia, Paulo Drumond Braga p.307.

TOPO

 

CONGRESSO, Lisboa, 14, 15, e 16 de Outubro 1991, A vida da República Portuguesa,1890-1990

Obra de referência sobre a 1ª República Portuguesa que em dois volumes junta vários dos principais investigadores que se debruçaram sobre o tema, e que cruza a cultura e a política com a história e a sociedade de fins do século 19 e princípios do século 20 em Portugal.

V. I
/ COMUNICAÇÕES/ Manuel José Homem de Mello, República e monarquia - virtudes e defeitos p.1/ Maria Helena Carvalho dos Santos, República e constitucionalismo - da diversidade e da unidade p.7/ Jacinto Baptista, A defesa dos direitos do homem nos primeiros anos da república portuguesa p. 27/ Lucília Mateus Nunes, A ideia de república no contexto cultural e político do final do século XIX em Portugal p.49/ Victor de Sá, Niilismo - uma hipótese romântica p.51/ Maria Antonieta Garcia, Apontamentos para o estudo da intervenção da comunidade judaica de Belmonte, no município, durante a I república p.61/ Alcino José Cardoso Pedrosa, José Joaquim Rodrigues de Freitas - um economista republicano em tempo de monarquia p.63/ António Pinto Ravara, Lisboa e Porto p.65: população e sociedade Margarida Reis, Associação de beneficência serviço voluntário de incêndio de Cacilhas: a história de uma corporação p.101/ Maria da Conceição Quintos e Patrícia Baltazar, Universidade Popular de Setúbal p.113/ Vítor Fernando S. Simões Alves, A República na aldeia - movimentos populares e agitação republicana no nordeste (1895-96) p.129/ Curchida Ismael Uayate, A intervenção portuguesa na I Grande Guerra p.139/ Maria Cecília de Sousa Carmeira, Política externa portuguesa - coordenadas fundamentais (1860-1910) p.141/ Manuel C. Teixeira, Desenvolvimento urbano e habitação operária -  1890- 1910 p.143/ António Macieira Coelho, Egas Moniz e o sidonismo p.169/ Maria de l.ourdes Mónaco Janotti, Porque foi esquecida a reacção monarquista no Brasil? p.171/ Paulo Guinote, Humor, política e censura:"Os Ridículos" nos anos de 1916-17 p. 223/ Fernando Rosas, Os factores de crise do republicanismo liberal e o advento do autoritarismo p.257/ Ruí Manuel Afonso da Costa, "O Mundo" e a questão religiosa no ocaso da monarquia p.261/ Rev. José Carlos Oliveira Gonçalves, Liberdade religiosa p.263/ Carlos Faria Pimenta, A lei da separação da igreja e do estado - a laicização da sociedade p.275/ António Manuel S.P. Silva, A igreja lusitana e o republicanismo (1880-1910): convergências e expectativas do discurso ideológico p.277/ Mário Vieira de Almeida, A república como revolução iluminista e os rumos da cultura musical p.281/ Maria Conceição Quintas, Bocage na política setubalense: as "festas da cidade" antes e depois de 1910 p. 299/ José Manuel Fernandes Capas e Sousa, Cinema novo português: algumas linhas de evolução p.311/Fanny Andrée Font Xavier da Cunha, Da monarquia para a república. prelúdios de uma nova ciência em portugal. Novos museus p.313/ Maria Helena Correia, Alguns aspectos da música em Portugal nos séculos XIX e XX p.339/ Fátima Ribeiro de Medeiros, Uma conselheira de Afonso Costa : Ana de Castro Osório p.343/ António Macieira Coelho, António Macieira, um figura singular da I República p.379/ Maria José de La Fuente, Brito Camacho - um republicano diferente p.381/  Manuel Rosa Gonçalves Gama, Os caminhos da I República - o caso de Sampaio Bruno p.383/ António Reis, Os males da república e a sua terapêutica segundo Raul Proença p.385/ Maria de Lourdes Mónaco Janotti, A república no Brasil: oposições e consolidação p.389/ Maria Helena Vilas-Boas e Alvim, Angelina Vidal - uma vida ao serviço da propagação da república p.411/ Maria Manuela Cruzeiro, A mulher e a república p.413/ Eulália Paulo e Paulo Guinote, Amor a quanto obrigas; crimes passionais e violência conjugal na I República p.415/ José Magalhães Godinho, 0  28 de Maio, produto de uma campanha falsa p.449/ Manuel da Costa e Melo, Os Congressos de Aveiro - síntese de uma intenção p.477/ Francisco Marcelo Curto, Os sindicatos na Primeira República p.481/ Manuel Filipe Cruz de Morais Canaveira, A reforma educativa nas páginas de "O Século" em 1913 p.499/ Elza Nadai, República oligárquica e educação secundária no brasil: pontos de partida para uma história comparada p.527/ Manuel Moreno Alonso, La vida de la Republica portuguesa ante los republicanos espanoles p.551/ Mano Raposo, 1820 e o primado da "rés publica" p. 579/

V. II/ COMUNICAÇÕES / José-Augusto Seabra, O republicanismo do 31 de Janeiro ao 5 de Outubro p.643/ MULHERES E HOMENS DA REPUBLICA/ Maria Manuela Cruzeiro, A mulher e os ideais republicanos p.651/ Marília Abel, José Relvas e o mecenato p.655/ Maria Helena Vilas-Boas Alvím, Angelina Vidal - uma vida ao serviço da propagação da nova ideia p.659/ António Macieira Coelho, Egas Moniz e o sidonismo p.675/ Maria José La Fuente, Brito Camacho - um republicano diferente p.683/ Alcino José Cardoso Pedrosa, José Joaquim Rodrigues de Freitas: um professor de economia republicano em tempo de monarquia p.693/ Eva Maria Carvalho Araújo Caldeira, "Política de traição" - Carvalho Araújo e os republicanos radicais perante o advento do sidonismo p.699/ António Macieira Coelho, António Macieira - uma figura singular da I República p.707/ A REPÚBLICA: TEORIAS E PRÁTICAS/ Lucília Mateus Nunes, A ideia de república no contexto cultural e político do final do século XIX em Portugal - 1890-1900 p.719/ Rui Manuel Afonso da Costa, O mundo e a questão religiosa no ocaso da monarquia (1900-1919) p. 723/ António Manuel S. P. Silva, A igreja lusitana e o republicanismo (1880-1910): convergências e expectativas do discurso ideológico p.739/ Ana Paula Assunção, Notas sobre a questão da república e os seus valores, em Loures p.757/ Raul Rego, A lei da separação p.759/ Curchila Ismael Bayate, A intervenção portuguesa na I Guerra e a conferência de paz p.761/ Maria Antonieta Gomes Baptista Garcia, Apontamentos para o estudo da intervenção da comunidade judaica de Belmonte, no município, durante a I República p.767/ Guilherme de Oliveira Martins, As finanças públicas na I República p.771/ Herberto Manuel de Miranda, De país colonialista a neo-colonizado p.775/ Manuel Augusto Rodrigues, Primórdios da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra p.781/ FOTOGRAFIA - A MEMÓRIA DAS IMAGENS/ António Pedro Vicente, A imagem da república na arte: a fotografia p.797/ QUOTIDIANOS/ Carlos Consiglier, A Lisboa da república p.811/A OPOSIÇÃO REPUBLICANA AO SALAZARISMO/ Manuel Costa e Melo, Os Congressos de Aveiro p.817.

TOPO


 

JORNADAS DE HISTÓRIA IBERO-AMERICANA, 3ª, Portimão, 1997, O barroco e o mundo Ibero-Atlântico

O período barroco, a colonização portuguesa e espanhola, e as relações culturais e políticas de ambos os lados do Atlântico.

INTRODUÇÃO, Trinidad Barrem p.9/ ESTADO E PODERES: AFIRMAÇÕES, RESISTÊNCIAS E RUPTURAS/ Entre a idade sem tempo e o tempo finito, José Tengarrinha p.13/ A Corte, as províncias e as conquistas: centros de poder e trajectórias sociais no Portugal restaurado (1668-1750), Nuno G. Monteiro p.23/ Cataluna bajo los Bourbones (siglo XVIII), JoaquimAlbareda p.43/ Barroco Mineiro, Caio Boschi p.59/ ARTE: ESTÉTICA E SENTIMENTOS/ A cultura artística portuguesa dos séculos XVI e XVII e a sua expressão nas Américas: alguns testemunhos plásticos, Vitor Serrão p.71/ A morfologia da pintura decorativa: o Nordeste Brasileiro, Magno Mello p.85/ O teatro eclesiástico: a liturgia musical barroca como espectáculo, Rui Vieira Nery p.103/ Compungidos e edificados. Culpa e seguraçao no Algarve. Aspectos da pastoral relativos aos sentimentos de culpa e de segurança, nos séculos XVII a XIX, José Alberto Quaresma p.117/
La presencia del teatro barroco espanol en Lisboa, atraves del estúdio del Pátio de las Arcas, Mercedes de los Reyes Pena e Piedad Bolanos Donoso p.l35/ Gregório e a circularidade cultural no barroco, Affonso Ávila p.149/  LITERATURA: EFEMERIDADE E TRANSCENDÊNCIA/ O desconcerto do mundo segundo António Vieira, Pedro Calafate p.171/ A lírica de José de Anchieta e a poesia tradicional peninsular, Nicolás Extremera Tapia; Luisa Trías Folch p.185/ El gongorismo en la literatura hispano-americana, Teodósio Fernandez p.203/ El barroco americano: estabilización y cultura, Trinidad Barrera p.213/ ÍNDICE REMISSIVO p.221.

TOPO


 

JORNADAS DE HISTÓRIA IBERO-AMERICANA, 8ª, Portimão, 2002, As novidades do mundo : conhecimento e representação na época moderna

A expansão portuguesa e espanhola, a ciência náutica, e a literatura de viagens enquanto produtora de representações do período entre o século 16 e o 18.

PREFÁCIO
, Maria da Graça A. Mateus Ventura e Luís Jorge R. Semedo de Matos p.9/
CONFERÊNCIA INAUGURAL, Comentários sobre o Planisfério Português "Cantino" (1502), nos 500 anos da sua existência, Inácio Guerreiro p.15/ CARTOGRAFIA. NÁUTICA. ASTRONOMIA/ A expansão do Mundo nos Planisférios da Biblioteca Estense Universitária de Modena, Ilaria LuzzanaCaraci p.33/ Visitaciones viejas y nuevas sobre la carta de Juan de Ia Cosa, Ricardo Cerezo Martínez p.45/ Nuevos elementos para el estúdio dei mapamundi de Lopo Homem (1519), Francesc Relano p.69/ Mostrar a bandeira, em 1521: a viagem da infanta D. Beatriz para Sabóia, Richard Barker p.83/ João Baptista Lavanha e o ensino da náutica na Península Ibérica, Francisco Contente Domingues p.115/ Os instrumentos de medida, A. Estácio dos Reis p.145/ A "Carta de Marear" do princípio do século XVI, Luís Jorge R. Semedo de Matos p.169/ No mar também há conchas, Maria Emília Madeira Santos p.197/ LITERATURA. CONHECIMENTO CIENTÍFICO/ Um bom itinerário, um bom mapa, uma boa viagem...(ou a geografia, a história e a literatura na intertextualidade da literatura de viagens), Fernando Cristovão p.209/ Coleccionar e conservar, produzir e divulgar em Itália documentação sobre os Descobrimentos Portugueses (sécs. XV-XVII), Carmen Radulet p. 225/ D. João de Castro e o racionalismo moderno, António Borges Coelho p.241/ Pedro Margallo. Un humanista português en la Castilla del primer tercio del siglo XVI, Mariano Esteban Pineiro p.251/ Aproximación a las fuentes espanolas en el Tratado dos Descobrimentos de A. Galvão, Consuelo Varela p.275/ El maestro Juan Faraz: la clave de un enigma, JuanGil p. 287/ El arte de los pronósticos en la Espana del siglo XVI, Maria Isabel Maroto p.313/ Festa a bordo - o Império do Espírito Santo, das naus quinhentistas às canoas do Sertão brasileiro no século XXI, Carlos Francisco Moura p.345/ A carta de Cantino e a representação oceânica no último quartel do século XV, Luís Adão da Fonseca p.365/ CONFERENCIA DE ENCERRAMENTO Paradigma e invenção em Pedro Nunes, A. A. Marques de Almeida p.381

.

TOPO

 

JORNADAS DE HISTÓRIA IBERO-AMERICANA, 2ª, Lisboa, 2 a 4 Maio 1996, A união ibérica e o mundo atlântico

As Jornadas Ibero-Americanas são iniciativas que juntam diversos especialistas de vários países para divulgar e promover a aproximação histórico-cultural entre os países de ambos os lados do Atlântico. As segundas jornadas foram dedicadas ao período da União Ibérica e à Restauração portuguesa de 1640.

INTRODUÇÂO
, Juan Gil e A. A. Marques de Almeida p.1/ PREFÁCIO, António Borges Coelho p.11/ POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO/ Dívida pública: técnicas e práticas de refinanciamento do estado no período da União Ibérica, A. A. Marques de Almeida p.15/ Portugal en Ia política internacional de Felipe II: por el suelo el mundo en pedazos, Fernando Bouza-Álvarez p.29/ A União Ibérica e o Mundo Atlântico 1580 e o processo político português, Maria do Rosário Thernudo Barata p.47/ Os modelos institucionais da colonização portuguesa e as suas tradições na cultura jurídica europeia,
António Manuel Hespanha p.65/ La presencia portuguesa en Ia América española en la época de los Habsburgos (siglos XVI-XVII), Fernando Serrano Mangas p.73/ A administração filipina nos Açores: mudança, permanência e circunstâncias, Avelino de Freitas de Meneses p.81/ A cooperação entre os reinos ibéricos: o caso das armadas dos Açores, João Carlos de Jesus p.105/ Debate p. 115/ ECONOMIA E SOCIEDADE/ João Fernandes - périplo de um marinheiro entre Vila Nova de Portimão e Santiago de Guayaquil. Ou da importância dos "autos de bienes de difuntos" para a história social Maria da Graça A. Mateus Ventura p.127/ O advento do domínio filipino no Brasil, CaioBoschi p.163/ As tentativas portuguesas de colonização do Maranhão e o projecto da França equinocial, Jorge Couto p.171/ A emigração para o Brasil através das habilitações do Santo Ofício (1640-1706), João Cosme p.195/ O papel dos jesuítas portugueses no Brasil entre 1549 e 1640. Hans-Júrgen Prien p.217/ Judaizantes Ibéricos en Ia Inquisición de Lima. El Auto de Fe de 1639, Paulino Castaneda Delgado e Pilar Hernández Aparicio p.241/ Debate p.265/ CULTURA E MENTALIDADES/ Cativar e descativar por serviço a Deus, Maria do Rosário Pimentel p.273/ Manuel Fernandes Vila Real no discurso político dos primeiros anos da Restauração, António Borges Coelho p.285/ Debate p.303/ EXTREMO ORIENTE/ La Union Ibérica y Pérsia: contactos diplomáticos y choque de interesses, Luis Gil p.309/ Los problemas de frontera en el Maluco, Consuelo Varela p.341/ O Extremo Oriente na literatura ibérica, de 1580 à Restauração, Rui Manuel Loureiro p.353/Balance de la Union Ibérica. Êxitos y fracasos, Juan Gil p.367/ Debate p.385
.

 

TOPO   INÍCIO