foradelinha    Trabalhos variados Reportagens 07  
     Revista das cadeiras do atelier de jornalismo e cyberjornalismo da FCSH-UNL  EMAIL    
    secções  |  login  |   pesquisa  |  atelier jornalismo <  
 
     
      Portugueses querem "Que se lixe a Troika"
Manifestação junta milhares em Lisboa contra a Troika e o Governo


 

"Não há becos sem saída" foi o lema da manifestação de 26 de Outubro
  Milhares de portugueses saíram à rua para, mais uma vez, exigirem a demissão do Governo e a saída da Troika do país. Catorze cidades responderam à chamada do movimento “Que se lixe a Troika”, mas foi em Lisboa que se registou uma maior afluência. O lema “Não há becos sem saída” acompanhou os manifestantes, que ecoaram palavras de ordem pelas ruas da capital.

Foi no passado sábado que o movimento apartidário “Que se lixe a Troika” convocou os portugueses para mais uma manifestação contra o regime de austeridade em que o país está mergulhado. A premissa “Não há becos sem saída” foi o mote para o protesto, que, em Lisboa, teve início na praça do Rossio e terminou em São Bento, junto à Assembleia da República.

Ao longo de toda a tarde, milhares de manifestantes anónimos gritaram por melhores condições de vida e por um futuro melhor. Exibiram-se cartazes com palavras de ordem como “O Governo só cai quando nos levantarmos” e “Prisão para quem endividou o país” e muitos foram os políticos de esquerda que apoiaram o protesto e saíram, também, à rua. A demissão do Governo e a saída da Troika foram as demandas principais desta manifestação.

Ao som de música de intervenção e fortes palavras contra o Governo, manifestantes de todas as idades foram-se juntando à multidão durante o percurso. Emília Jorge, de 65 anos, fez questão de marcar presença para mostrar a sua indignação com a situação do país. Também “Zé Povinho” esteve na linha de frente do protesto, como “representante do povo português”. Já Rita Matildes, de 31 anos, juntou-se aos manifestantes para reivindicar melhores condições de trabalho para os investigadores:

Em São Bento, junto à escadaria da Assembleia, a organização instalou um palco, onde se desenvolveram intervenções políticas e artísticas, de membros de várias organizações cívicas e sindicatos. Pouco antes das 20h, os portugueses que ainda permaneciam no local, entoaram “Grândola, Vila Morena”, que deu por terminada a manifestação.

Lisboa e Porto foram as cidades com maior afluência em todo o país. Nas restantes doze cidades convocadas, apenas se manifestaram algumas dezenas de pessoas. Todos os protestos decorreram sem incidentes.

     
artigos relacionados:

     
Inês de Castro Ferreira
inescbferreira@hotmail.com