foradelinha    Trabalhos variados Reportagens 07  
     Revista das cadeiras do atelier de jornalismo e cyberjornalismo da FCSH-UNL  EMAIL    
    secções  |  login  |   pesquisa  |  atelier jornalismo <  
 
     
      Dead Meadow na Galeria Zé dos Bois


 
João Pedro Almeida 

O trio actuou sob projecções coloridas durante hora e meia
  A banda norte-americana Dead Meadow tocou ontem, dia 10 de Outubro, por volta das 22:20 horas na Galeria Zé dos Bois, em Lisboa, para uma sala cheia ansiosa por ouvir músicas como Sleepy Silver Door e Such Hawks Such Hounds.

Aqueles que se deslocaram ao coração do Bairro Alto para assistir ao concerto desfrutaram de cerca de uma hora e meia quase ininterrupta de Rock Psicadélico. A banda, oriunda de Washington D.C, iniciou uma tour europeia a 16 de Setembro aquando ao lançamento do novo álbum Warble Womb, lançado no dia 7 deste mês, sendo que o colectivo apenas terminará a digressão a 26 de Novembro.

No final do concerto, o baixista Steve Kille trocou umas palavras, dizendo-se fã de Portugal apesar dos diminutos períodos de estadia. “Chegámos hoje de manhã, Lisboa é muito bonita mas não vamos aproveitar porque amanhã vamos logo para Madrid”. Quanto ao concerto, Steve apontou para a particularidade da ZDB ter vitrines que dão para a rua, levando “velhotes a curtir o nosso concerto lá de fora, sem ouvir nada”.

Os Dead Meadow existem desde 1998, contanto ainda com a formação original de Jason Simon (guitarra e voz), Steve Kille (baixo) e Mark Laughlin (bateria). São 5 os álbuns de originais que a banda já lançou, tendo também a honra de ter gravado uma performance ao vivo com o radialista britânico John Peel. De menção também o facto de Jason Simon ser sobrinho de David Simon, criador da série The Wire, pelo que as músicas da banda foram utilizadas em dois episódios.

Criada em 1994, a Galeria Zé dos Bois é uma Associação cultural sem fins lucrativos situada na Rua da Barroca. Não recebendo apenas concertos, a ZDB apresenta também exposições, acções educativas e projectos artísticos nas áreas do teatro e dança. A instituição assume-se como uma “estrutura de criação, produção e promoção para a arte contemporânea”, segundo um comunicado do website oficial.

     
artigos relacionados:

     
António Moura dos Santos
antonio.moura.dos.santos@gmail.com