Estudo de prevalência da Anorexia Nervosa em

populações portuguesas

 

Em 1996, o Núcleo de Doenças do Comportamento Alimentar do Hospital de Santa Maria realizou um estudo da prevalência da anorexia nervosa em jovens do sexo feminino nos distritos de Lisboa e Setúbal.

 

Universo estudado: 2398 jovens do sexo feminino de 29 escolas secundárias dos dois distritos.

Método: Distribuição de um questionário com perguntas relativas á imagem corporal, hábitos alimentares, eventuais perdas de peso e amenorreia.

Objectivo: Determinar a prevalência da anorexia nervosa, calcular o número de jovens com síndroma parcial, o número de jovens com peso normal ou baixo que praticava restrição alimentar e que se sentiam insatisfeitas com o corpo. 

 

Resultados:  

Gráfico 1

Prevalência de anorexia nervosa em 0,4% da população estudada - valor inferior ao encontrado em estudos europeus e dos EUA.

Síndroma parcial - perda de peso inferior a 15% e sem amenorreia - em 12,6% da população

Perturbação da imagem corporal sem perda de peso em 7% das jovens

 

38% das jovens com peso normal ou baixo desejavam ser mais magras

 49% diziam ter “uma parte do corpo gordo”

 51,5% tinham “horror a aumentar de peso”

 

Idade

 maior prevalência:19 anos

 menor prevalência: 10 anos

 

Estrato Social

Encontrada uma maior percentagem de jovens com anorexia nervosa síndroma parcial e perturbação da imagem corporal no estrato dos técnicos de nível médio, funcionários administrativos (estrato 2). Menor percentagem nos estratos dos funcionários de serviços (estrato 3) e dos trabalhadores manuais (estrato 4).

Percentagens muito baixas no estrato dos trabalhadores manuais não especializados       (estrato 5).

No estrato social de maior rendimento a altura média das jovens era superior e o IMC inferior.

Em todas as classes se registou uma diferença entre o IMC actual e o desejado.

 

Rendimento Escolar:

 Maior percentagem de falhas no rendimento escolar em jovens com anorexia nervosa.

 Jovens com mais idade do que a correspondente ao ano escolar que frequentavam:  

Gráfico 2

 - 55,3% das anoréxicas

- 26,5% das com síndroma parcial

 

- 18,2% das com perturbação da imagem corporal

 

Menarca (idade da primeira menstruação)

 Anoréxicas – 100%

Síndroma parcial – 91,5%

Perturbação da imagem corporal – 85,3%

 

Conclusões:

Em Portugal a prevalência da anorexia nervosa é baixa. Porém, o ideal de magreza e as alterações de comportamento que levam a uma perturbação da imagem corporal e à prática da dieta estão generalizados. Portugal encontra-se muito permeável às influências dos padrões culturais dos países mais industrializados, principalmente através dos meios de comunicação social

 

 Fonte:

Doenças do Comportamento Alimentar – Manual para o Clínico Geral

Daniel Sampaio, Dulce Bouça, Isabel do Carmo, Zulmira Jorge, Lisboa,1999